Rio inaugura escola pública sem salas, turmas ou séries

Nos próximos dias, o Rio de Janeiro começa a experimentar um tipo de escola inovador no Brasil. Nada de séries, salas de aulas com carteiras em filas e crianças caminhando ordenadamente pelo espaço comum.180 crianças e jovens da Rocinha terão uma educação mais alinhada com os moldes do século 21, que acontecerá no Gente – Ginásio Experimental de Novas Tecnologias – na escola Municipal André Urani.

Os alunos que estariam entre o  7o e 9o anos  serão agrupados em equipes de seis membros, chamadas de “famílias”, independentemente de sua série de origem. A formação das famílias ocorrerá em parte por afinidade, a partir da escolha dos próprios membros, e em parte a pelo diagnóstico de habilidades ao qual os alunos se submeterão no início do ano letivo. Cada aluno terá um itinerário de aprendizado pessoal, que funciona como uma espécie de playlist, só que em vez de músicas, estarão os pontos que ele precisa aprender ou desenvolver. O próprio aluno vai escolher como quer absorver o conteúdo – através de videoaulas, leituras, atividades individuais ou em grupo. Eles também terão acesso a tablets e netbooks para que possam ir e vir com mais facilidade pelos ambientes da escola.

As avaliações acontecerão de 3 formas – diagnóstica, feita no início de cada ano; somativa através de grupos de estudos; e por competências, que podem ser pessoal, relacional, cognitiva e produtiva.

Os professores também terão um novo papel no projeto Gente. Ele deixa de ser um transmissor do conhecimento para ser um facilitador, um motivador, um arquiteto da aprendizagem, que garante que todos os alunos estão trabalhando e aprendendo.

Essa proposta de ensino foi idealizada pela Secretaria Municipal de Educação – SME do Rio de Janeiro e surgiu a partir de estudos feitos em escolas internacionais de caráter inovador, voltados para o futuro. A ideia é que até 2014 mais cinco ginásios sejam construídos no Rio de Janeiro. Fica aí o exemplo pra ser replicado em todo o Brasil.