Empreendedorismo

5 Movimentos inspirados no Slow Food que se espalharam pelo mundo

por: Paulo Moura

Publicidade Anuncie

Piazza di Spagna, Roma, Itália, meados dos anos 80.  Surgem no horizonte os arcos dourados de mais uma loja de fast food. A inauguração gera reações que repercutem internacionalmente. Inconformado, o jornalista Carlo Petrini cria o Slow Food e, a partir dele, vários movimentos com o mesmo conceito se disseminam mundo afora.

O Slow Food prega a valorização cultural dos alimentos e o prazer de comer bem e, dessa forma, faz frente à dominação dos fast foods. Mais do que se opor ao paradigma da velocidade, o movimento  defende um novo conceito de qualidade, que leva em conta não apenas o sabor, mas também como e por quem o alimento é produzido. O Slow Food cresceu – hoje são mais de cem mil adeptos em 150 países – e virou tendência. Do Japão à Holanda, dos Estados Unidos à Noruega, surgiram várias propostas ancoradas no mesmo conceito. Conheça algumas delas:

1. Citta Slow

Cidades comprometidas em se proteger da loucura veloz que adoece as metrópoles, investindo na qualidade de vida de sua população.  Bra, no Piemonte, e Sedgefield, na África do Sul (foto abaixo), são alguns dos membros do movimento;

2. Slow Design

Preocupação em produzir objetos que sejam atemporais, mesmo que isso signifique um maior tempo de concepção e fabricação. Um dos ícones do movimento é o crochê, já usado em mesas, cadeiras e luminárias. Vale ler um belo artigo que a Fast Company fez recentemente sobre o tema;

3. Slow Home

Acredita-se que as casas são muito significativas do ponto de vista emocional para serem projetadas de maneira rápida e comoditizada. A ideia é promover uma arquitetura personalizada, ambientalmente responsável e economicamente razoável;

4. Slow Travel

Filosofia que identifica a pressa como a maior inimiga das melhores viagens. Se é para conhecer de fato um lugar, em vez de tomar o metrô, por quê não ir andando ou tomar um ônibus, mesmo que demore mais? Por que ir ao shopping e não conhecer lojinhas de artesanato locais? E por aí vai…

5. Slow Money

Movimento que segue a toada do Slow Food e prioriza o cuidado com o solo, o cultivo de produtos orgânicos e o estímulo a negócios locais e regionais. Eles ambicionam que, em uma década, 1 milhão de pessoas invistam 1% de seus recursos em empresas locais de alimentos.

E você? Se identifica com esses conceitos “slow” ou ainda prefere o modo “fast”?


Paulo Moura

Jornalista paulistano que adotou o Rio de Janeiro como casa. Possui mais de 15 anos de experiência em comunicação corporativa e é sócio-diretor da Agência VIRTA. Apreciador de cerveja, comida ogra, mar e tudo aquilo que combina ou remete a ele.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Colorado cria a Toca do Urso, que economiza energia e rende bons brindes de cerveja artesanal