Este webdesigner parou de cobrar pelo seu trabalho. O que aconteceu depois vai te fazer acreditar num mundo melhor

Algumas décadas atrás, a economia era exclusivamente baseada em um modelo econômico feroz, onde o único objetivo era crescer e ganhar dinheiro, e as relações humanas eram deixadas em segundo plano. Felizmente, está surgindo uma nova geração capaz de desafiar todos esses modelos vigentes e ainda sim se dar muito bem no que se propõe, onde reputação passa a ser moeda mais poderosa que o dinheiro.

É o caso de Adrian Hoppel, um webdesigner da  Filadélfia que há alguns anos adotou um modelo inusitado para cobrar de seus clientes: o Gift Economy (algo como: Economia do Presente), onde ele faz o site que um cliente solicita e dá para a pessoa como um presente, e confia que o cliente irá lhe presentear de volta com um valor que ele considera justo para o seu trabalho. Isso tudo sem contrato, sem negociação, sem pressão. E funciona!

Ao contrário do que se possa pensar, a maioria dos clientes o presenteou com um valor maior do que no modelo tradicional baseado na negociação dos menores preços (diferente da Gift Economy, que se baseia no respeito mútuo e na justiça). Por isso, engana-se quem pensa que este modelo é como trabalhar de graça Adrian tem família com filho e precisa de dinheiro como qualquer outra pessoa, a diferença é que ele resolveu acreditar nas pessoas, e isso trouxe grande surpresas, pois nenhum cliente nunca deixou de retribuir pelo seu trabalho.

512127-98d8e11e-8dfd-11e3-8dff-f6af7c30323d

AdrianHoppel_Header21-resized-image-960x299 copy

adrien

o-ADRIAN-HOPPEL-facebook

Um dos grandes defensores deste modelo é Charles Eisenstein, autor de diversos livros sobre o assunto, e que palestrou no TEDxNewHaven, falando sobre o poder da recompensa na felicidade das pessoas. Assista (em inglês):