Engenheiro paulista cria máquina capaz de produzir água a partir do ar

Se a água é formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, para produzi-la bastaria conseguir os três elementos e uni-los? A natureza não funciona bem assim, mas Pedro Ricardo Paulino, um engenheiro de Valinhos, localizada a 85 km de São Paulo, desenvolveu uma máquina capaz de produzir água a partir do ar.

Todo mundo sabe que água é um bem precioso, mas em tempos de crise isso pode ser sentido na pele. Com isso, mais do que nunca, a Waterair é um sucesso na região. Para funcionar, o sistema captura o ar ambiente, condensando as moléculas de água e passando-as por um filtro especial e por tratamento com raio ultravioleta.

A água produzida é tão pura que é usada até mesmo em tratamentos com hemodiálise. Para ser consumida, no entanto, ela passa por um segundo filtro, que adiciona os sais minerais necessários. Vale mencionar que, para não deixar o ar do ambiente completamente seco, a máquina para de funcionar quando detecta a umidade em menos de 10%.

Tudo o que você precisa para ter água em casa, então, é de ar e de uma tomada. Segundo o engenheiro, o gasto de energia elétrica para produzir mil litros de água na Waterair é de R$ 170 – a Sabesp distribui a mesma quantidade de água por R$ 7,25. No fim das contas, não se trata de uma alternativa exatamente barata ou ideal, devido ao gasto de energia, mas é uma solução para quem precisa de água potável em tempos de crise.

A Waterair é construída a partir de peças importadas e, devido à demanda ainda pequena, possui um custo elevado. Uma máquina que produz 30 litros de água por dia sai por R$ 7 mil, enquanto que o maior modelo, que faz até 5 mil litros por dia, custa R$ 350 mil.

Vale a pena conhecer essa invenção de mais um brasileiro criativo:

agua-ar1

agua-ar2

agua-ar5

Todas as fotos © Folha de S. Paulo

[via Folha de S. Paulo]