Documentário mostra como é difícil ser mulher no Egito

Em países conservadores como o Egito, as mulheres são discriminadas e não possuem os mesmos direitos dos homens. O tráfico de mulheres e casamentos forçados são comuns na região, além de agressões, abusos sexuais e até mesmo mutilações genitais.

Para quem vive no Ocidente é difícil compreender o que significa ser mulher em um país árabe. Para sentir na pele a realidade da vida das egípcias, as duas documentaristas Tinne Van Loon e Collette Ghunim fizeram uma filmagem: ligaram a câmera e foram passear por uma ponte no Cairo, um dos lugares mais intimidantes para uma mulher andar sozinha.

Note que, no vídeo, todos os homens, sem exceção, olham fixamente para as mulheres, como se fossem verdadeiros objetos sexuais, gerando a sensação de incômodo, constrangimento e vergonha em todas aquelas que passam. Mesmo usando burcas, véus e andando praticamente cobertas dos pés a cabeça, o medo e a sensação de insegurança fazem parte da vida das mulheres no Egito.

Para relatar esta triste realidade, Tinne e Collette conseguiram arrecadar o valor necessário através da plataforma Kickstarter e assim criar o documentário “The People’s Girls“.

Confira os vídeos abaixo:

PeoplesGirls

PeoplesGirls0

PeoplesGirl1

PeoplesGirl2

PeoplesGirl3

PeoplesGirls4

 Todas as imagens: Reprodução Vimeo

Abaixo as documentaristas belga Tinne Van Loon e a norte-americana de origem árabe Collette Ghunim: 

PeoplesGirls5

Foto via Kickstarter