O que aconteceu comigo quando tentei ficar 1 semana sem reclamar

O e-mail chegou com um desafio: ficar uma semana sem reclamar para depois registrar a experiência no Hypeness. Logo eu, que carrego uma nuvem cinza junto com a carteira, o celular e a chave de casa? Minha vontade imediata era responder declarando incapacidade mental e pedir, por misericórdia, para trocar de pauta.

Mas daí já estaria reclamando de saída. Essa reação defensiva inicial só mostrava o quanto a matéria fazia sentido. A inspiração para ela surgiu do teste feito por David Cain. Sua proposta era mais fundamentalista, com a contagem do tempo sendo reiniciada do zero a cada derrapada. Foram 55 dias até David conseguir ficar 21 dias seguidos sem fazer queixas.

Quem me conhece bem sabe que posso me tornar um tanto reclamão em determinadas situações. Porém, há um ano já vinha tentando me policiar mais sobre isso. Muito provavelmente por ser o período em que comecei a fazer terapia. Ao olhar para dentro de si mesmo e se entender melhor, uma série de impulsos aparentemente involuntários vão sendo descontruídos. Entre eles, o de reclamar. O que me leva à primeira conclusão que tirei dessa semana: reclamar é sempre uma escolha.

Não, não é inevitável. Quando a gente começa a prestar atenção, percebe que é possível abrir mão na grande maioria dos casos. Só que o hábito diário vai tornando a reclamação tão natural e orgânica que pode sim ser necessária uma ajuda profissional para constatar isso. Se você reclama além da conta, não tenha dúvidas de que um divã ajuda e muito. Afinal, as pessoas ao redor da gente não são um departamento de ouvidoria particular nosso.

Pois bem, justo nessa semana minha esposa estava viajando. Ou seja, a principal ouvinte dos reclames da minha estação não se encontrou presente durante a produção da matéria. E isso acabou de certa forma sendo um facilitador, pois passei uns tantos períodos em casa sem falar absolutamente nada. Iria reclamar pra quem? Para esses dois companheiros silenciosos aqui?

reclamacao07

Esse contexto me despertou a segunda conclusão do experimento: o ato de reclamar pede uma plateia. Quando não tem ninguém presente ou com paciência para ouvir, os lamentos diminuem. E, ao exercitar mais o silêncio, a ansiedade por verbalizar desgostos e indignações é reduzida. Os budistas sabem disso há tempos, tanto que têm na meditação um dos seus pilares.

Aproveitei a ocasião para também praticar o silêncio naquele espaço onde sempre encontramos audiência para nossas frustrações. Sim, as redes sociais. Tentei acessar menos e não publicar nada nesse período. Eu QUASE consegui:

reclamacao01

Falando menos fui percebendo ao longo da semana como existem formas mais sutis de reclamação do que o #mimimi. Pode ser uma expressão corporal, como um olhar enviesado, uma mudança de feição, uma respiração tensa. Ou pode ser aquela reação negativa instantânea que às vezes até dura pouco, mas por um instante toma conta da nossa mente. E controlar o impulso por esse tipo de pensamento foi a parte mais desafiadora. Não posso dizer que logrei total êxito.

Por exemplo, num desses dias fui pegar minha moto na garagem do prédio e encontrei um senhor bem à vontade estacionado no caminho da saída. Nem sei se era vizinho, não o conhecia. Ele me viu chegar, cumprimenta-lo, dar a partida no veículo e manobrar, sem esboçar qualquer iniciativa para abrir passagem.

reclamacao06

Foi um pouco difícil controlar alguns termos de baixo calão direcionados ao sujeito que me ocorreram. Mesmo sem verbalizar, eu já estava reclamando. Inutilmente, porque no final das contas dava para passar e o cara nem sequer notou minha indignação. Me fez bem destilar esse veneno silencioso? Não creio. Logo ao sair da garagem, a lembrança do desafio soou como um trombone em meu cérebro. E, enquanto escrevo, recordar que me irritei por uma pequenice dessas chega a ser constrangedor.

Alguns dias depois, saí para passear com os cachorros e no meio do trajeto senti uma gotinha quente pingar no meu pé. Era exatamente o que você imagina:

reclamacao02

Quase cheguei a emitir um palavrão, mas consegui evitá-lo. Talvez por já estar mais treinado, acabei dando risada da situação. Ufa, uma a menos. E a constatação de que, apesar de trabalhoso, é bem possível controlar os estímulos mentais negativos que nos levam a chiar em alto volume. Merdas acontecem, não? Nunca vi uma reclamação limpar uma cagada.

Agora, quer passatempo mais brasileiro do que reclamar do tempo? Nos táxis, elevadores e self-services, é uma das queixas prediletas. E nesses dias agora o clima de São Paulo não deu trégua. Foi uma semana inteira de calor escaldante, dilúvio no fim do dia e abafamento durante a madrugada.

Pela primeira vez desde que comecei a trabalhar em home office, senti inveja do ar condicionado de escritório. Pensei até em ir trabalhar no carro para tentar reproduzir essa atmosfera. O que fazer quando a sensação térmica fica insuportável, você não pode gastar água porque está em falta e nem reclamar disso tudo? Lembrei do Ice Bucket Challenge.

reclamacao03

Antes que alguém reclame do desperdício, em minha defesa digo que a água era de reuso. Captamos no banho e reaproveitamos para lavar o piso. Mas nesse dia tomei a liberdade de despejar duas formas de gelo dentro e me presentear com uma ducha reciclada. Às vezes, tudo que um reclamão precisa é de um balde d’água fria.

reclamacao05

Com a semana do experimento chegando ao fim, fiquei pensando em como a reclamação é uma droga viciante. É semelhante ao tabaco. Você nem lembra direito como começou a usar, mas já adquiriu o hábito diário e inclusive aumentou as doses. Ao ficar sem a droga, sofre crise de abstinência e pode ter umas tantas recaídas até conseguir se livrar do vício.

Mas, como disse lá no início, é sempre uma escolha. Se você deseja uma vida limpa de reclamações, nem que seja com ajuda profissional, você vai conseguir. Só que para isso é preciso assumir a compulsão por consumir esse tóxico. Como sabiamente afirmam os grupos de apoio a dependentes, o primeiro passo para resolver o problema é reconhecer que o problema existe.

Após 7 dias seguidos monitorando as diversas formas desse comportamento se manifestar no meu cotidiano, afirmo com convicção que a experiência é libertadora. No começo parecia algo trabalhoso e que ia contra a minha natureza. No final, minha própria mente já zombava de mim mesmo a cada sinal de que ia me queixar. Era como se uma voz aqui dentro passasse a questionar: sério mesmo que você está cogitando reclamar disso?

Aquela história de que “menos é mais” não poderia fazer mais sentido. O exercício me fez economizar uma energia imensa que provavelmente seria desperdiçada com palavras negativas ao vento e tensão no corpo. Inevitavelmente, você acaba se tornando mais pró-ativo. Ao invés de reclamar que precisa realizar essa ou aquela tarefa, você vai lá e faz. E acaba fazendo mais e mais. No fundo, viver é menos sofrido quando deixamos de reclamar. Para a gente e para quem está do nosso lado.

Ainda não posso dizer com 100% de segurança que estou curado desse mal. Mas da experiência pretendo levar comigo a prática diária do silêncio.

E, se você leu até aqui, é provável que também esteja cogitando alguma iniciativa do tipo, não? Aceite o desafio. Experimente passar a próxima semana sem reclamar e depois venha contar como foi. Use as #desafiohypeness1 e #umasemanasemreclamar nas redes sociais e sua foto pode vir parar aqui no Hypeness!

reclamacao08

Todas as fotos © Daniel Boa Nova para o Hypeness faixa-desafio-hypeness

UPDATE:

Lançamos o desafio aos leitores nas redes sociais – uma semana inteira sem reclamar, e se falhar, volta ao ponto de partida. A resposta tem sido incrível e o desafio está bombando no Instagram, com cada vez mais pessoas se comprometendo a levar mais amor e menos reclamação para o seu dia a dia. Reunimos algumas das fotos que encontramos por lá e convidamos todo mundo a tentar: usando as #desafiohypeness1 e #umasemanasemreclamar. Sua foto pode vir parar aqui no Hypeness!

Fui desafiado a aderir um desafio: Uma semana sem reclamar! Como funciona?! UMA SEMANA INTEIRA SEM RECLAMAR!!! Isso mesmo, uma semana sem reclamar, e se reclamar, começa do zero novamente! O desafio é para você refletir na sua vida e parar um pouquinho de reclamar de tudo, porque é tão fácil reclamar quando uma coisa que você tanto queria e não acontece né?! Se não deu certo, agradeça e entregue nas mãos de Deus! Troque o reclamar pelo agradecer!!! Agradeça todos os dias por tudo que acontece na tua vida. Você não sabe, mas Deus tem um propósito e nada é por acaso. E aí, aceita o desafio? #DesafioHypeness1 #UmaSemanaSemReclamar #DesafioAceito #AceiteVcTbm #CorrenteDoBem #Começando02Fevereiro

Uma foto publicada por Carlos Augusto Vicente (@gu_tto) a

 

Nunca fui contra campanhas/desafios, sou contra a forma como as pessoas se aproveitam deste meio para se promoverem, por exemplo, desafio do balde de gelo, resumindo: foi muito banho gelado para pouco dinheiro doado! Mas, encontrei pela net esses dias esse novo desafio e achei super válido participar… Como funciona?! UMA SEMANA INTEIRA SEM RECLAMAR!!! Isso mesmo, uma semana sem reclamar, e se reclamar, começa do zero novamente! Um desafio para você refletir na sua vida e parar um pouquinho de reclamar de tudo, porque é tão fácil reclamar quando uma coisinha que você (a vontade era sua e não de Deus) tanto queria não acontece neh?! Se não deu certo, agradeça e entregue nas mãos de Deus! Troque o reclamar pelo agradecer!!! Agradeça todos os dias por tudo que acontece na tua vida, você não sabe, mas Deus tem um próposito e nada é por acaso. E ai, aceita o desafio?! #desafiohypeness1 #umasemanasemreclamar

Uma foto publicada por Raíssa Heim (@raissaheim) a

#desafiohypeness1 #1semanasemreclamar #começando30dejaneiro #naometestem

Uma foto publicada por Dani Pinheiro (@danipinheironeves) a

Caro, Daniel Boa Nova, bom dia! Ontem no final do meu expediente me deparei aqui no facebook com a sua matéria do desafio “Sem reclamar…” E decidi topar o desafio (#desafiohypeness1 e #umasemanasemreclamar). Ainda não estou fazendo terapia como você e nem estarei sozinha em casa, pelo contrário, terei minha esposa pegando no meu pé para eu não ter recaídas. Além dessas diferenças, eu já estou me desafiando em outras questões. A primeira delas, é que no próximo sábado estarei completando um mês sem cigarros e a segunda, é que comecei esta semana, a tomar cerveja sem álcool, visto que aprecio muito, porém, estava me embebedando muito também. Portanto, torça por mim, pois acordei de bom humor e até o momento minha face não franziu. :D. http://www.hypeness.com.br/2015/01/o-que-aconteceu-comigo-quando-tentei-ficar-1-semana-sem-reclamar/ A photo posted by Juliana Navarro (@juliananavarro13) on

A photo posted by Mari Machado (@s2mari_machado) on

#umasemanasemreclamar

A photo posted by Marcial Melo (@melomarcial) on