Artista cria série de ilustrações para explicar palavras intraduzíveis

Tem algumas palavras que são praticamente intraduzíveis para outros idiomas. Seja por uma questão cultural ou simplesmente por uma limitação da língua, elas acabam não fazendo sentido quando traduzidas. Além da mais famosa “saudade”, esse é também o caso do nosso “cafuné“, por exemplo. Já pensou em traduzir a palavra para o inglês? Não dá…

Mas, para que essas palavras não fiquem em um limbo entre os idiomas, a artista britânica Maria Tiurina criou a série Untranslatable Words (“Palavras Intraduzíveis”, em português), onde apresenta ilustrações que mostram o verdadeiro significado de cada palavra. Acompanhando cada imagem, ela tenta explicar o conceito em inglês para facilitar o entendimento.

Vale a pena conferir o trabalho da artista:

untranslate1

Cafuné, do português brasileiro: o ato de correr os dedos pelos cabelos de alguém ternamente. 

untranslate2

Gufra, do árabe: a quantidade de água que pode ser segurada em uma mão. 

untranslate3

Schlimazl, do ídiche: uma pessoa com azar crônico.

untranslate4

Duende, do espanhol: o misterioso poder que uma obra de arte tem de tocar as pessoas profundamente.

untranslate5

Tingo, do pascuense: o ato de pegar todos os objetos que você gosta do seu amigo, gradualmente, pedindo emprestado.

untranslate6

Kyoikumama, do japonês: uma mãe que pressiona o filho para que ele tenha um bom desempenho acadêmico.

untranslate7

Torschlusspanik, do alemão: medo de que as possibilidades diminuam conforme a idade passa.

untranslate8

Palegg, do norueguês: qualquer coisa que você pode colocar em uma fatia de pão.

untranslate9

Age-Otori, do japonês: quando você fica pior após um corte de cabelo.

untranslate10

Luftmensch, do ídiche: refere-se a alguém que é sonhador. Significa literalmente: pessoa aérea.

untranslate11

Baku-Shan, do japonês: uma garota que é bonita desde que você só a veja de costas.

untranslate12

Schadenfreude, do alemão: sensação de prazer ao ver a desgraça alheia.

untranslate13

Tretar, do sueco: “tar” significa uma xícara de café e “patar” é o refil desta xícara. “Tretar” é o segundo refil.

untranslate14

L’appel Duvide, do francês: “a chamada do vazio” seria a tradução literal, mas sua melhor descrição seria descrever o instinto que surge de pular de prédios altos.

Todas as fotos © Maria Tiurina