A história do homem que há 18 anos tenta dar a volta ao mundo a pé

Tentar dar uma volta ao mundo é um plano ambicioso, independente do meio de transporte adotado. Mas já pensou fazer isso a pé? Há 18 anos, desde que saiu de Punta Arenas, no Chile, o inglês Karl Bushby tenta completar seu objetivo. E embora não o tenha concluído ainda, ele tem aproveitado sua jornada e acumulado histórias incríveis para contar.

Em novembro de 1998, o ex-paraquedista do exército britânico tinha 29 anos e um só objetivo: caminhar por 60 mil km até a sua cidade natal, na Inglaterra, na expedição que ele batizou de Goliath. A ideia inicial era atravessar a América até o Alasca, onde passaria pelo Estreito de Bering até a Rússia e, de lá, iria até a China. Feito isso, seguiria seu caminho até o Cazaquistão e a Europa Oriental, rumando para a França. Finalmente, ele iria caminhar pelo Eurotúnel e chegar à Inglaterra. Tudo isso em oito anos.

Mas a vida nem sempre é boa em seguir planos e pode-se dizer que Bushby precisou passar por alguns perrengues que não estavam no script. Ainda no início da viagem, ele perdeu suas unhas dos pés, passou fome na Patagônia, passou por uma tempestade de areia no Peru e decidiu arriscar a sorte em um atalho por Darién Gap, uma perigosa selva fechada na fronteira entre a Colômbia e o Panamá, dominada por guerrilheiros e traficantes. Ao chegar ao Alasca, ele já acumulava experiência e boas histórias, mas mal sabia ele que seus problemas estavam prestes a começar.

Ao chegar à Rússia, Bushby foi preso e deportado para o México por ter adentrado uma área militar. Após finalmente conseguir a permissão para atravessar a região, seu visto venceu e ele precisou voltar à América. Impedido de entrar na Rússia por cinco anos, ele aproveitou esse tempo para gravar o documentário “The Walk Around the World” (A caminhada em volta do mundo, em português), vídeo que mostra seu desafio em cruzar todo o território norte-americano.

Hoje Bushby está na Alemanha e tenta retomar sua jornada na Rússia. O caminho foi mais duro e demorado do que ele pensava, mas apostamos que não menos interessante. No mínimo inspirador, hein? Veja alguns registros de suas andanças:

karl-bushby

karl-bushby2

karl-bushby3

karl-bushby4

karl-bushby5

karl-bushby7

karl-bushby8

karl-bushby9

karl-bushby10

karl-bushby11

karl-bushby12

karl-bushby13

karl-bushby14

karl-bushby15

Todas as fotos © Karl Bushby/Arquivo Pessoal