Pessoas que você precisa conhecer

Pessoas que você precisa conhecer #11: Alexandra Loras

por: Brunella Nunes

Publicidade Anuncie

De imediato, a consulesa da frança e jornalista Alexandra Loras nos lembra uma princesa dos contos da Disney, linda, guerreira, esperta, carismática, estilosa, gente boa e…negra. E esta última palavra só foi colocada em destaque porque desde seus primórdios de vida carrega um peso que só ela sabe. Vivendo no Brasil há cerca de dois anos, ela inspira mulheres ao redor do mundo todo em busca do resgate da autoestima e da aceitação, atuando incansavelmente contra a desigualdade racial.

Na verdade, é um equívoco falarmos de igualdade em termos de raça, e sim democracia, pois somos naturalmente todos iguais, seres humanos, acima de tudo. Casada com o cônsul-geral da França, Damien Loras, a consulesa espalha um discurso de paz e sempre parte do princípio de preconceito, estigmatização do afrodescendente e de como devemos tirar o peso da escravidão de cima dos brancos de atualmente, pois já não deveriam carregar esta responsabilidade. Para ela, hoje somos todos um só, ou ao menos deveríamos ser, e juntos pensar no que vem à frente, no futuro. Por outro lado, é a favor das cotas raciais e defende que esta não é a melhor solução, mas é um caminho. “Se há tanta exclusão e as oportunidades não são as mesmas, temos que criar meios para romper essa barreira.”

Em conversa com o Hypeness, ela destacou situações onde sente, em meio a elite paulistana e em pequenas situações do dia-a-dia, o racismo tão vivo quanto antigamente, mesmo que nos detalhes. “Se dou uma festa na minha casa e recebo as pessoas, quem não me conhece acaba me confundindo e me tratando como uma hostess e não como anfitriã e dona da casa. Se passeio com meu filho e meu marido, acham que sou apenas a babá, queixou-se. No caso, o pequeno Raphael, de 3 anos, é branco e loiro, o que acaba deixando a dúvida carregada de preconceito no ar. “A elite confunde muito as coisas. Quando veem meu filho, ressaltam o quanto ele é loirinho, galego, ‘anjinho’. Talvez se fosse negro não teria essa mesma atenção”, pontuou.

alexandra loras

alexandra loras6

O discurso de Alexandra é um convite às pessoas para que estejam abertas a reverem seus conceitos, a refletirem em prol de um mundo mais justo, mais equilibrado, onde não há espaço para o racismo velado e onde a cor da pele seja apenas um detalhe, assim como a cor do cabelo. Além de ser negra, aliás, a única entre os cinco irmãos, a francesa tem origens muçulmanas e judaicas, ou seja, inúmeros motivos para ser alvo de preconceito. Apesar disso, acredita no potencial de cada indivíduo independente de suas condições. “Decidi não me colocar como uma vítima, e sim como eu pertenço a todos os lugares. Mas não nasci com isso, é algo que preciso trabalhar em mim”.

Alexandra participou da edição do TEDxSão Paulo em maio deste ano, desta vez focado em mulheres, onde fez um discurso bem interessante sobre parte de sua história e toda a trajetória dos negros na história mundial, num resumo de 15 minutos que valem para a vida toda. Na palestra do TED, ainda sem vídeo disponível, propôs a ideia de vivermos numa história onde todos os inventores, intelectuais e outros personagens importantes fossem todos negros, e que só houvesse duas páginas em livros didáticos dedicados aos brancos, estes que teriam ancestrais que foram escravos e seriam sempre relacionados a atos violentos, tráfico de drogas e coisas do tipo na TV. Ao se colocar no lugar do outro, a ideia é despertar a consciência de que os fatos históricos devem ser respeitados e que a auto estima dos afrodescendentes precisa ser resgatada.

O mesmo é válido para mulheres, cada vez mais expostas ao empoderamento feminino. “Eu acho que o empoderamento está crescendo porque não é mais aceitável a coisa da mulher ficar só na cozinha, embora isso ainda exista. Acho que as mulheres também precisam resgatar a auto estima. Pensar que podem, que merecem, que sabem. E pedir ajuda! É tão legal ajudar alguém. Você não se sente melhor quando ajuda uma pessoa? Não vejo mal nisso”, argumentou.

//

Participação da Consulesa da França no TEDx São Paulo. Evento que reuniu mulheres inspiradoras nessa última quinta-feira. Posted by Alexandra Baldeh Loras on Sábado, 30 de maio de 2015

alexandraloras2

alexandratedxsaopaulo

alexandra loras2

Depois de falarmos sobre como o coaching mudou sua vida, sobre o jornalismo, sobre a experiência com ayahuasca e sua ida ao polêmico festival Burning Man, chegamos a um assunto que pode parecer banal, mas também é importante: as madeixas alisadas. Eu preciso conhecer o meu cabelo, reconhecer, aceitar, para então decidir se quero liso, enrolado. Estou me livrando do tratamento para conseguir deixar natural, porque isso foi impossível durante um bom tempo. Eu tive de me adequar, agora quero ver como é”, explicou, mostrando que depois de muito tempo, enfim, as mulheres estão se assumindo como são e tomando suas próprias decisões independente do que a sociedade coloca como “certo” ou bonito.

Atualmente, a consulesa é conselheira do Instituto Lula, dá diversas palestras e participa de debates com a temática do racismo, além de escrever um blog sobre dignidade negra, que acaba sendo seu meio de contato pessoal. Em tempos de ódio contra a jornalista negra Maju Coutinho e outros inúmeros casos diários, ainda é válido ressaltar que somos todos descendentes, temos os mesmos direitos e deveres, e não é a melanina que vai mudar isso.

alexandra loras4 alexandraloras Foto © Antonio Dantas alexandra loras5 alexandra loras8 Foto: © Antonio Dantas


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.