A poderosa resposta de uma mulher às exigências que são feitas a uma mãe nos dias de hoje

A blogueira australiana Constance Hall, de 32 anos, é mãe de gêmeos de um ano, de uma menina de seis e de um menino de quatro. Essa semana ela escreveu um texto publicado em sua página do Facebook saudando as mulheres que abrem mão de seguir os padrões da mãe perfeita, com suas casas bagunçadas, pias cheias de louça e depressão pós-parto. E sim, a sociedade tem muito a aprender com isso!

Vale a pena ler (tradução livre, post original no final do texto):

“Para a mulher no parque, que olha seu telefone, ignorando seus filhos, eu te saúdo. Por não dar a percepção pública de que você deve estar ligada 24 horas por dia. Por estar se fodendo para o que o ‘grupo de policiamento de mães’ pensa.

Para a mulher com uma pilha de pratos por lavar que sai porta fora para ir tomar um café com seus amigos, eu te saúdo. Ser uma boa mãe, ou esposa, ou ser humano NÃO significa passar uma eternidade limpando a sua casa. Se você a deixar ali por tempo suficiente, seus amigos vão começar a fazer. Confie em mim.

Para a mulher que vai ao médico e espera pacientemente para pedir anti-depressivos, eu te saúdo. Depressão pós-parto é uma rude e puta realidade. Você está conseguindo lidar, não confunda depressão com não saber lidar, você tomou uma ação, você é uma rainha para mim.

Força e fraqueza são muitas vezes confundidas, a força pede ajuda. Você é tão forte. Muitas mulheres estão passando exatamente pelo mesmo, mas elas simplesmente não falam sobre isso.

Para a mulher que não perdeu todo o peso depois de dar à luz, eu te saúdo. Um novo trabalho de 24h diárias não remunerado e que não vai acabar em menos de 20 anos não é a altura para desistir do bolo. Coma o bolo, coma a porra do bolo inteiro e foda-se quem se atrever a dizer alguma coisa. Seu corpo pós-parto não está livre para comentário público.

Muito amor,

De uma mãe, para quem os dias são feitos de falhas do tamanho de um mamute e de micro vitórias, e cujo coração ainda consegue explodir repetidamente de AMOR pelo mini exército [4 filhos] todos os dias”.

mae3

O post foi escrito no dia 17 de janeiro e já conta com mais de 270 mil curtidas, 131 mil compartilhamentos e muitos, muitos comentários de mulheres que se identificam em ser uma pessoa real, provando a todos que modelos criados no passado não se sustentam mais.

mãe2

Leia o depoimento completo aqui.

Todas as imagens: Arquivo Pessoal / Facebook