Guia de Emprego das Periferias ajuda pessoas a trabalhar perto de casa

Por Vitor Paiva e Clara Caldeira

Na última quarta-feira (24), a Agência Mural lançou sua nova plataforma digital: o GEP (Guia de Emprego das Periferias). A plataforma funciona como uma central de informações sobre oferta e busca de empregos nas regiões periféricas de São Paulo. O objetivo é incentivar a economia local e impactar positivamente na mobilidade urbana da cidade.

EMPREGO2

A Mural é uma agência de jornalismo das periferias, e a plataforma foi criada por dois de seus membros, Anderson Meneses e Vagner de Alencar. Segundo Anderson, o impacto de trabalhar perto de casa é imenso sobre a qualidade de vida, reduzindo o uso do transporte público, permitindo a utilização de meios alternativos de transporte.

“Quando pensamos na criação do GEP também queríamos que as pessoas pudessem ser mais felizes em seus empregos e quando se fala em trabalhar perto de casa, as pessoas podem ficar mais tempo com a família e até almoçar em suas residências, criando assim uma rotina mais próxima de quem se ama”, explica Anderson.

EMPREGO3

Alinhado ao Plano Diretor da cidade de São Paulo, sancionado pelo prefeito Fernando Haddah, a plataforma pretende ainda ajudar a descentralizar as oportunidades de trabalho. Para além de somente informar sobre possibilidades de emprego, o GEP servirá como estimulo à economias locais das pontas, onde o investimento costuma ser bastante mais escasso.

Semanalmente a plataforma oferecerá dicas e novidades, com foco principalmente nos jovens e em egressos do sistema carcerário. Da mesma forma, divulgar novas iniciativas e negócios interessantes dos bairros periféricos será pauta importante para o Guia.

“Nosso principal foco é a ‘não mobilidade’”, diz Anderson. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 18,6% dos trabalhadores em regiões metropolitanas brasileiras gastam mais de uma hora por dia no deslocamento só de ida de casa para o trabalho”, completa. O GEP surge exatamente para tentar possibilitar que as pessoas utilizem essas horas com educação e entretenimento, ao invés de deslocamento.