#naoecoincidencia: campanha questiona a ausência de professores negros nas universidades brasileiras

A baixíssima incidência de professores negros lecionando em universidades públicas brasileiras levou a Universidade de Juiz de Fora a criar a hashtag #nãoécoincidência. Com cartazes espalhados pelo campus, a campanha vai direto ao ponto: quantos professores negros você tem?

UFJF1

Segundo uma pesquisa publicada pelo professor José Jorge de Carvalho, da Universidade de Brasilia, o número de professores negros no ensino superior não chegam a 1% da média nacional. Na USP, por exemplo, dentro os 4,7 mil professores, menos de dez são negros. Na UnB, de Brasília, mesmo tendo sido pioneira no estabelecimento de cotas, dos 1,5 mil professores, somente 15 professores são negros.

UFJF3

O significado desses números e o efeito dessa realidade se intensificam diante do fato de que os negros representam mais de 50% da população brasileira.

UFJF2

A campanha da Universidade de Juiz de Fora já viralizou na internet, e muitas pessoas tem usado a hashtag para comentar ou responder a corajosa questão proposta – iluminando assim a injustificável realidade de possuirmos um dos sistemas de ensino mais racistas do mundo.

UFJF4

E você? Quantos professores negros você tem, ou teve?

Assista aqui um vídeo da UFJF sobre a semana da consciência negra:

©Todas as fotos: UFJF – Divulgação

Recentemente o Hypeness publicou série fotográfica sobre racismo na UnB. Relembre.