E se uma das inventoras do Rock tiver sido uma mulher negra dos anos 1940?

A história oficial diz que em meados dos anos 1950 o R&B negro entrou em colisão com o country branco nos EUA, e assim nasceu o Rock n’ Roll que, pela voz e quadris de Elvis, pode levar a força da música negra para os lares das famílias brancas, e assim se tornar verdadeiramente popular – levando a família tradicional à loucura.

Todos esses fatos são verdade. O Rock, no entanto, para além de seu título, naquilo que ele tem de essencial, já existia, e há décadas. A verdade é que não é possível apontar um inventor somente, mas uma das mais pioneiras e radicais vozes desse som foi uma mulher negra – o que justifica muito provavelmente a razão dela ser tão pouco mencionada nessa história.

SISTER1

Sister Rosetta Tharpe é uma guitarrista de rock em todos os sentidos possíveis dessa nomenclatura – e das melhores; mais pungentes e cheias de atitude. O agravante, no entanto, é que sua música se tornou popular nos EUA nos anos 1940 – quase 20 anos antes do surgimento oficial do Rock.

Sister Rosetta Tharpe

Estava tudo lá: a atitude profundidade na voz e na interpretação, o ritmo sincopado, veloz e dançante, a mistura de estilos, os solos estalados, a sonoridade de guitarra, os riffs, e até os instrumento propriamente, em modelos mais rock n’ roll impossíveis.

Sister Rosetta Tharpe é uma das criadoras da música do século XX, e merece mais do que alguns parágrafos. Ainda que seja sempre lembrada indiretamente como uma espécie de madrinha do Rock, não há motivos concretos para não vê-la como uma das inventoras diretas desse estilo. É evidente que ser mulher não ajudou nesse reconhecimento, mas acima das justificativas estão os fatos. Ou melhor: o som. Basta ouvir para entender que muitas das raizes do que amamos e nos arrepiamos com o Rock estava lá.

SISTER5

Imagens: arquivo