Fotógrafo registra os surreais rituais da tribo indiana que ‘dança com os mortos’

Entre o oeste da Índia e o leste de Bangladesh fica uma região conhecida como Bengala, onde há mais de dois mil anos vive o povo bengali. Seu calendário determina que os anos terminam quando, no calendário gregoriano, estamos entre março e abril, e uma espécie de ‘dança com os mortos’ faz parte da tradição de ano novo.

(Atenção: esse post contém imagens fortes)

A grande maioria da população bengali é Hindu, e participa de um festival conhecido como Gajan para fazer homenagens a Shiva. O princípio dos atos é obter satisfação a partir de dores não-sexuais, devoção e sacrifícios. Os rituais incluem jejuns e orações para pedir por chuvas e boas colheitas.

Avishek Das, fotógrafo indiano interessado pela cultura bengali, viajou até um vilarejo chamado Bardhaman para acompanhar a Dança dos Mortos, ritual que apenas algumas tribos da região praticam. Por lá, é comum queimar os corpos após a morte, mas as famílias que não têm dinheiro o suficiente optam por enterrá-los.

Durante o Gajan, cabeças de corpos que foram enterrados de um a dois meses antes são retiradas dos ‘cemitérios’ e utilizadas em rituais encarados como símbolos da vida e promessas de dedicação a Shiva. A população acredita que celebrar o Gajan ajuda a remover o sofrimento do ano que termina e a pedir prosperidade para o ciclo que vai começar em breve.

Avishek Das registrou imagens de um desses rituais, mas explicou que só obteve autorização para fotografar na principal rua do vilarejo. Há partes das festividades proibidas para quem é de fora, incluindo o processo pelo qual as cabeças são obtidas.

Fotos © Avishek Das