viagem

O império africano que conquistou o Egito e chegou ao Oriente Médio mas acabou esquecido pela história

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie


Quando pensamos em antigas e poderosas civilizações africanas, naturalmente o que nos vem à cabeça é a egípcia. Aprendemos na escola sobre sua grandeza, suas riquezas e sua importância, assim como temos em suas heranças arqueológicas verdadeiras maravilhas do passado da humanidade. Há, porém, um outro antigo reino africano, que não só nos deixou também tesouros da arqueologia – incluindo mais de 300 pirâmides que permanecem intactas há 3 mil anos – como chegou a conquistar e governar o próprio Egito por algumas décadas, mas que a história simplesmente esqueceu.

 

Todas as imagens dispostas nessa matéria são de tesouros arqueológicos do reino de Kush

Trata-se do reino de Kush (ou Cuxe), formado por agricultores, artesãos e mercadores que chegaram a rivalizar em riqueza com os faraós. Os cuchitas possuíam minas de ouro e terras férteis e, pasmem, as mulheres podiam governar como rainhas por direito próprio.

O obscurantismo religioso, e principalmente o eurocentrismo que reina ao se resgatar e contar a história do continente africano – como também absurdamente acontece aqui na América Latina, o que se conta, afinal, é a história da África da perspectiva da presença dos europeus por lá – , a história do reino de Kush permanece um tanto misteriosa e esburacada.

O reino era localizado à beira do Nilo, onde hoje fica o Sudão – e essa posição privilegiada na rota comercial da época ajudou a construir a riqueza e o poder cuchita. A conquista do Egito se deu no século VIII a.C., onde os reis cuchitas reinaram como faraós por quase um século.

Estátua de um rei Kush

O declínio do reino é também misterioso, e teria acontecido entre o século II e o ano de 350, por conta de uma invasão etíope do reino de Axum, mas tal conclusão é altamente controversa entre historiadores. Sua língua e escrita estão praticamente desaparecidas, assim como boa parte de sua história.

 

“Talvez no futuro será possível ensinar algo sobre a história da África. Mas até o momento não há nenhuma ou quase nenhuma: só existe a história dos europeus na África.”

“O resto é escuridão, assim como ocorre com a história pré-europeia e a pré-colombiana na América. Uma escuridão que não é sujeito para a história”, comentou o grande historiador britânico Hugh Trevor-Roper, em 1965 – algo que não só lamentavelmente permanece atualmente, como ilustra perfeitamente a maneira como a história oficial funciona.

© fotos: divulgação/Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.