Arte

Kendrick Lamar é o primeiro rapper a vencer o ‘Pulitzer’ da música

por: Kauê Vieira

Publicidade Anuncie

Com três discos com mais de 1 milhão de cópias vendidas, Kendrick Lamar fez história novamente. Norte-americano de 30 anos , o jovem californiano acaba de se tornar o primeiro rapper a vencer o Prêmio Pulitzer.

A premiação, que coloca o músico ao lado de nomes como Wynton Marsalis, se deve ao seu último lançamento, o disco Damn. Unanimidade entre os jurados, o álbum foi escolhido por conter uma “virtuosa coleção, repleta de autenticidade e dinamismo rítmico, capturando assim a complexidade da vida moderna do negro norte-americano”, explica ao New York Times Dana Canedy, uma das responsáveis pelo Pulitzer.

‘Damn’ faz história ao retratar a contemporaneidade do negro nos EUA

Lançando em uma sexta-feira santa, Damn é um marco na carreira de Lamar e também do hip-hop, que ultrapassou o rock, se tornando o maior gênero musical dos Estados Unidos. Ao longo das 14 canções, o rapper nascido em Compton, no condado de Los Angeles, expõe sua visão sobre temas que pautam a vida do afro-americano e a sociedade dos EUA dos dias atuais. Luta contra o racismo, ilustrada por iniciativas como o Black Lives  Matter (Vida Negras Importam), crise econômica e a crescente onda conservadora que toma conta do país e é representada pela eleição de Donald Trump são tratados em seu repertório.

Não há dúvidas, Damn é daqueles trabalhos marcantes e com efervescência comprovada como na faixa Blood, onde Kendrick Lamar expõe como poucos o destino imaginado para o negro nos Estados Unidos. Relatando ter sido atingido por tiro dado por uma senhora cega, o rapper diz que espera-se que os negros tenham um destino de “sexo, dinheiro, assassinato”. Por fim, ele reproduz em sampler o comentário preconceituoso do apresentador do canal Fox News Geraldo Rivera, dizendo que o “hip-hop causou mais danos aos jovens negros dos Estados Unidos do que o racismo”.

Kendrick Lamar ainda não se pronunciou sobre a conquista histórica do Prêmio Pulitzer, porém Terrence Henderson, produtor executivo do álbum escreveu no Twitter que ninguém deveria “abrir a boca para demonstrar nada menos do que respeito ao trabalho de Kendrick Lamar”. Um dos maiores prêmios da história do jornalismo e das artes, o Pulitzer é entregue desde 1917.

Foto: Reprodução


Kauê Vieira

Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Luz, câmera… e bolsas de graça! Como estudar cinema nos EUA sem pagar nada