Arte

Performance de artista acaba num emocionante reencontro

Jaque_Barbosa - 27/02/2013 | Atualizada em - 16/04/2015

Para quem não conhece, Marina Abramovic começou sua carreira no início dos anos 70 e é considerada por muitos uma das artistas mais polêmicas da atualidade. Seu trabalho figura em numerosas coleções públicas e privadas, além de contar com participações nas mais importantes mostras de arte internacionais com suas performances.

Nos anos 70, Marina Abramovic viveu uma intensa história de amor com o também artista Ulay. Eles fizeram arte simbioticamente durante 12 anos nômades, entre 1976 e 1988. Passaram um ano inteiro com aborígenes no deserto australiano. Amsterdã era sua base, mas sua casa na estrada, na Europa, era uma van.

A união dois dois passou por muitos altos e baixos, como todo relacionamento intenso, até dia em que o fim chegou. Segundo fontes, Ulay percebeu que seu trabalho era a prioridade dela na vida e que por isso ela jamais iria querer ter filhos.  A separação foi devastadora para ela.

Foi então que eles encenaram a última performance juntos: decidiram percorrer a Grande Muralha da China; cada um começou a caminhar de uma lado, para se encontrarem no meio, dar um último grande abraço um no outro, e nunca mais se ver.

Eis que, em maio de 2010, Marina fez uma performance ao vivo no MoMA, em Nova Iorque, chamada ”The Artist Is Present”.

Durante 3 meses e por várias horas do dia, Abramovic sentava-se silenciosa em uma cadeira, de frente para uma segunda cadeira que ficava vazia. Um a um, os visitantes do museu sentavam à sua frente e olhavam para ela por um longo período de tempo. O máximo que conseguissem.

Foi então que o MoMa de Nova Iorque dedicou uma retrospectiva a sua obra. Nessa retrospectiva, Marina compartilhava um minuto de silêncio com cada estranho que sentasse a sua frente. Ulay chegou sem que ela soubesse e veja o que aconteceu:

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=OS0Tg0IjCp4″]

Num exemplo palpável de que um olhar diz mais do que qualquer palavra, eles não precisaram dizer nada, pois conversaram com o coração. Naquele minuto de silêncio, tudo o que precisava ser dito, foi dito.

Muita gente diz que foi tudo armado para trazer mais popularidade para a artista mas, de qualquer forma, o objetivo da arte se cumpriu (tenha sido ensaiado ou não) – tocar as pessoas.

Essa exposição acabou gerando até um Tumblr chamado Marina Abramovic Made Me Cry, um blog que registra as fotos de algumas dessas pessoas que enfraqueceram ao olhar para a artista por muito tempo seguido. Veja algumas delas:

 

Publicidade


Jaque_Barbosa
Poeira Estelar.


X
Próxima notícia Hypeness:
Agenda Hype em casa: festival Sesc de cinema, Tom Zé, Gilsons e Drik Barbosa nos destaques