Fotografia

As mulheres armadas da Síria que vão pra batalha pra proteger suas famílias

por: Redação Hypeness

Meu marido morreu na linha de frente. E eu vou morrer na linha de frente. Que Deus nos ajude.” – Fadwa, 20 anos.

Somando dois anos incessantes de massacre, as mulheres da Síria unem-se para mostrar força igualitária emergindo das sombras de seus postos de comando na cidade de Alepo. O fotógrafo Sebastiano Tomada retratou em uma série poderosa, chamada “Women of War” (“Mulheres da Guerra”, em português), a força feminina de mulheres que estão sempre prontas para defender seus ideais – e aqueles que mais amam.

A guerra civil na Síria, que começou em março de 2011, já contabilizou mais de 215 mil mortos (desses, mais de 10 mil são crianças), segundo a ONU. A luta armada consiste na oposição ao presidente Bashar al-Assad. Começou com protestos pacíficos e hoje retrata uma guerra brutal entre forças leais à Assad e um grupo de milícias rebeldes. O resultado se define por mulheres na linha de frente de combate. E sem medo de morrer.

Syria: FSA Women Fighters
Me sinto otimista. Vamos derrotar o regime e colocar fim à pobreza e maus tratos.” – Khansa, casada e dona de casa com 7 filhos, 42 anos.

Syria: FSA Women Fighters
Minha casa em Daraa foi destruída por duas bombas. Me mudei para Alepo com minha família e optei por pegar uma arma e lutar contra o regime.” – Om Ahmad, dona de casa com 3 filhos, 72 anos.

Syria: FSA Women Fighters
Que escolha temos?” – Rana, estudante, 20 anos.

Sebastiano Tomada_5
Ser maltratada por um guarda de segurança na linha de frente com o meu marido foi a coisa mais humilhante que já aconteceu com a minha família. Peguei uma arma e entrei para a luta.” – Om Faraj, dona de casa, 30 anos.

Sebastiano Tomada_6
Eu sou sincera à Deus. Isso é tudo o que eu preciso e quero. O resto virá com o tempo.” – Amal, dona de casa, casada com três filhos, 30 anos.

Syria: FSA Women Fighters
O Ocidente não vê problema na Síria. Enquanto pedimos apoio, nossos filhos, amigos e familiares estão sendo punidos sem nenhuma razão.” – Ali, estudante, 16 anos.

Sebastiano Tomada_8
Eu luto pela vida e liberdade. Luto para provar que mulheres e homens são iguais.” – Benifet, viúva com seis filhos, 27 anos.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Fotos vintage de homens posando com seus cães no século 19