Inovação

Biólogo cria primeiro hambúrguer artificial feito em laboratório

por: Eme Viegas

Mark Post, biólogo da Universidade de Masstritch, Holanda, está chamando a atenção por ter criado pela primeira vez uma carne artificial, que foi apresentada em forma de hambúrguer. O objetivo é diminuir a produção de gado de corte, a matança de animais e o impacto ambiental.

O sabor, dizem os especialistas que a provaram em Londres no início do mês, está próximo do da carne de vaca, mas o aspecto era um pouco diferente: a cor branca da carne levou Mark Post a utilizar ingredientes naturais, como açafrão ou suco de beterraba, para a tornar mais atrativa.

Esta carne artificial é feita usando células estaminais de vaca, que são cultivadas com nutrientes e soluções químicas promotoras de crescimento, o que dá origem a milhões de novas células. Aí elas formam pequenas tiras de músculo, que são unidas, ficando maiores e formando uma pasta, que é depois congelada e descongelada, pronta a servir. Veja a apresentação desta inovação polêmica:

MarkPostHamburguer1

MarkPostHamburguer2

MarkPostHamburguer3

MarkPostHamburguer4

MarkPostHamburguer5

O biólogo revelou que o projeto levou cinco anos a ser concluído e custou mais de 250 mil euros, perto de 760 mil reais. Para um simples hambúrguer de 140 gramas, foram necessárias 20 mil tiras de músculo.

MarkPostHamburguer6

MarkPostHamburguer7

MarkPostHamburguer8

MarkPostHamburguer9

Os dois corajosos degustadores aprovaram a criação da equipe de Post.

MarkPostHamburguer10

MarkPostHamburguer11

MarkPostHamburguer12

A falta de sangue é um dos motivos pelos quais ela acaba por não ter o aspecto apetitoso de uma carne vermelha. O biólogo responsável pelo trabalho acredita que, em 10 ou talvez 20 anos, esta carne de laboratório pode chegar às prateleiras dos supermercados.

Segundo informações, uma célula-tronco de vaca poderá gerar, no futuro, 20.000 toneladas de carne, o bastante para produzir 175 milhões de hambúrgueres – quantidade que exige hoje, pelos métodos naturais, o abate de mais de 440 mil vacas.

O sonho do criador é conseguir algum dia igualar o preço do seu hambúrguer – que hoje custa a bagatela de R$ 750 mil! – com o de um hamburguer natural, numa realidade na qual pequenas fazendas urbanas transformarão a produção artificial de carne em algo caseiro e ecológico. A carne real, que segundo especialistas tende a ficar mais cara a cada ano, ficaria somente para ocasiões especiais.

O resultado agrada aqueles que são contra a matança de animais para alimentação, mas também preocupa por se tratar de mais um alimento artificial que pode vir a ser inserido na nossa dieta. E você, o que pensa do assunto? Deixe nos comentários.

Imagens via

Publicidade


Eme Viegas
Trabalho com internet e meu escritório é na praia.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Feira vegana online é o que você precisava para mudar hábitos e ajudar o próximo