Fotografia

Fotógrafo registra os últimos anos do pai e o declínio de sua memória

Vicente Carvalho - 26/08/2013 | Atualizada em - 06/05/2014

O fotógrafo Phillip Toledano já apareceu aqui no Hypeness mostrando o excesso de cirurgias plásticas nas pessoas mas, paralelo à sua vida profissional, ele passou por um drama: em 2006, sua mãe faleceu, e desde então, ele começou a perceber o quão grave estava a memória do seu pai, que perguntava constantemente por ela. Mesmo passados quinze minutos do funeral da mãe, o pai parecia já não lembrar.

Para não magoá-lo mais toda vez que ele perguntava, Toledano decidiu dizer que a mãe tinha ido para Paris cuidar de um irmão doente. Seu pai não tinha Alzheimer, mas sua memória não gravava nada que fosse recente, e foi aí que Toledano decidiu registrar o cotidiano dele com o pai (com o qual ele não morava mais junto e passou a morar). O resultado foi um ‘jornal’, um registro, que ele publicou no site chamado: Days With My Father (Dias com meu pai). Começou como um blog de registro dos 3 últimos anos com seu pai e tempos depois se transformou em um livro.

Acompanhe algumas imagens – as vezes irreverentes, tocantes e belas – do cotidiano e convívio dos dois:

days_father

days_father2

Eu pedi ao meu pai para olhar para o espelho, enquanto eu fotografava ele. Agora, imagine que meu pai era muito bonito quando era jovem. Quando as pessoas falavam “galã de filme”, então, era ele, mesmo, ele foi um ator famoso dos filmes da década de 30. Mas, quando ele olha agora no espelho, ele vê um homem devastado, não mais galã, e isso o deixa muito triste. Agora veja, ele tem 98 anos, e sua vaidade ainda é extraordinária.

days_father3

days_father4

Eu procurei esse caderno por toda a casa… eles são um vislumbre de sua mente, a inquietação que ele tenta esconder de mim.

“Onde está todo mundo?”

“O que está acontecendo?”

Como ele se sente perdido.

days_father5

Meu pai e minha esposa, Carla, de mãos dadas. É incrível como ele pode observar os menores detalhes.

Se ela tinha tirado a sobrancelha, ou estivesse vestindo um vestido novo, ele iria comentar.

days_father6

days_father7

Meu pai frequentemente me diz que quer morrer.

Ele diz que é hora dele ir. Que está vivo há muito tempo. É estranho, porque parte de mim quer que ele vá também.

Isso não é vida pra ele. Vivendo o crepúsculo de meias memórias. Mas ele é o único mais perto da família que eu deixei. 

Veja, eu sou filho único. Depois dele, acabou. (…)

days_father8

Esse é o George.

Meu pai nunca lembra o nome dele, então ele o chama de “o vira-lata”. (…)

days_father9

days_father10

Meu pai desprende uma quantidade enorme de tempo no banheiro. Porque ele tem perda de memória recente, ele pode ficar lá por horas a fio. É de cortar o coração, mas também dá muita raiva.

Ele vai fazer suas necessidades. E então, quando ele está colocando as calças ele diz: “Espere um segundo, eu tenho que ir”. (…)

days_father11

Eu amo momentos como esse.

Por um pequeno instante, quase tudo parece normal de novo. Minha mãe não está morta, e não estamos fingindo que ela foi pra Paris. 

Ela saiu para a loja, mas vai voltar rapidamente.

Quão doce isso seria.

days_father12

Meu pai era muito engraçado.

Eu pus esses pequenos cookies em seu peito, e ele disse: “Olha minhas tetas”

Como você não pode rir?

days_father13

Meu pai é um incrível contador de histórias.

Eu adorava ouvi-lo por muito tempo desde que eu me lembro. E eu sempre tive muito orgulho de suas performances vencedoras do Oscar. (…)

days_father15

days_father16

Eu sempre ficava surpreendido com o amor do meu pai pela minha mãe.

É uma força constante, como a luz do sol, ou a gravidade.

Ele nunca parou de falar dela, sua gratidão pelo seu amor, pela relação que eles tiveram. (…)

days_father17

days_father18

days_father19

days_father20

days_father21

days_father22

Então, meu pai faleceu ontem.

Eu fiquei a noite toda com ele, segurando sua mão, escutando sua respiração, me perguntando quando seria seu fim. Ele morreu em sua cama, em casa, com Carla e eu próximos a ele.

Nos últimos três anos, eu estive esperando. Com medo de que ele morresse enquanto eu estivesse fora. Eu não queria que ele fosse sozinho, ou cercado por estranhos, ou plugado a máquinas. Eu sei que soa estranho. Mas eu estou muito agradecido pela forma que aconteceu.

Eu me sinto um sortudo por ter passado os últimos três anos. Por não ter mais nada pra dizer. Por saber que nós amamos um ao outro nus, sem constrangimento. Por ter sentido seu orgulho por minhas realizações. E ter descoberto o quanto engraçado ele era.

Que incrível, incrível presente.

Phillip Toledano.

Todas as imagens @ Phillip Toledano.

Publicidade


Vicente Carvalho
Em busca da terra do nunca.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.