Inovação

Brasileiro cria brinquedo que incentiva e ensina a arte de programar para as crianças

por: Redação Hypeness

“Oi, criançada. Vamos programar?”. Esse é o tipo de didática que certamente o seu filho não ouve diariamente na escola. Contudo, um brasileiro está disposto a mudar essa história. E, aparentemente, começando do modo certo: oferecendo um brinquedo que incentiva a  aprender a arte da programação.

Com uma interface desenhada para ensinar a lógica de programação para crianças de 3 a 7 anos sem a necessidade de ser alfabetizada, Primo buscar tornar a programação tangível, auxiliando crianças a criarem seus primeiros programas e algoritmos. As crianças brincam com conceitos de computação, como algoritmos e sequências de instrução, desenvolvendo uma mentalidade lógica necessária para aprender programação real.

O objetivo do jogo é guiar um robô sorridente chamado Cubetto até seu destino. O meio? A montagem de uma sequência de instruções utilizando blocos coloridos. Por meio da criação desses algoritmos simples, as crianças aprendem os conceitos lógicos da programação, necessários para programação mais avançada mais a frente na vida.

Para seu pequeno nerd – e para você, admita -, um presente e tanto. 

_MG_0800 Image by Roo Lewis

_MG_0843 Image by Roo Lewis

_MG_0848 Image by Roo Lewis

_MG_0857 Image by Roo Lewis

_MG_0877 Image by Roo Lewis

_MG_0888 Image by Roo Lewis

_MG_0894 Image by Roo Lewis

_MG_0907 Image by Roo Lewis

_MG_0914 Image by Roo Lewis

_MG_0922 Image by Roo Lewis

_MG_0949 Image by Roo Lewis

_MG_0958 Image by Roo Lewis

_MG_0967 Image by Roo Lewis

primo-board

 

O brinquedo pode ser adquirido no site.

As fotos são de divulgação.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Alunos do Ceará usam capacete para criar sensor de movimentos para cegos