Design

Inovação na arquitetura: conheça a parede que respira

por: Brunella Nunes

Esqueça as construções convencionais, pois aqui temos algo surpreendente. Os arquitetos Frank Barkow e Regine Leibinger ousaram e criaram uma parede que respira, mostrada na exposição Elementos, de Rem Koolhas na Bienal de Veneza de 2014. A ideia é levar a arquitetura para um nível totalmente novo, criando uma parede que ondula mecanicamente dentro e fora através do que os arquitetos descrevem como “picos e vales”.

Na verdade, a chamada “Kinetic Wall” é um protótipo de difusor de ar, com estrutura que funciona como uma câmara de pressão mecânica, um difusor de ar. Ou seja, talvez ela seria capaz de modular sistemas de ventilação em edifícios, fazendo com que a arquitetura se mova, cineticamente.

A superfície é ativada por uma série de pontos motorizados em um tecido sintético elástico e translúcido que fazem movimentos de extensão e retração. O movimento controlado digitalmente cria uma coreografia interessante e constante desses “picos” que existem na parede, formando uma topografia diferente.

Uma estrutura de madeira laminada leve abriga os mecanismos de pressão mecânica e ancora o tecido, criando uma saída de ar surpreendente e uma experiência artística única aos visitantes da exposição. A ideia também é sustentável, pois explora tecidos reciclados e materiais naturais.

O vídeo abaixo mostra como a Kinetic Wall funciona:

kwall2

kwall4

kwall10

kwall6

kwall3

kwall7

kwall5

kwall9 kwall8

kwall

Fotos por: Johannes Foerster

Publicidade


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Casa modular é autossuficiente energeticamente e se adapta a qualquer lugar e clima