Arte

Artista de rua homenageia o amor criando série de murais com casais se beijando

Redação Hypeness - 12/09/2014

A grande sacada da arte de rua é saber aproveitar o contexto e trazer para muros, calçadas e elementos urbanos a reflexão artística sobre o que pertence à própria rua. E disso o artista de rua parisiense Christian Guémy, conhecido como C215, entende muito bem. Em uma de suas séries de mural, ele fez uma incrível homenagem ao amor e à diversidade, mostrando casais se beijando.

C215 começou a experimentar com arte de rua em 2005 e hoje é um dos artistas mais expressivos da cena europeia. Para criar sua arte, ele usa a técnica do stencil, mas com uma “pegada” própria. Se o stencil costuma deixar os objetos “chapados”, o artista consegue utilizar as cores para trazer luz e profundidade à cena, criando obras incríveis, com uma iluminação rara de ser encontrada em artes do tipo.

“Eu tento interagir com o contexto, então eu coloco nas ruas elementos e personagens que pertencem especialmente às ruas. Eu gosto de mostrar coisas e pessoas que a sociedade teima em esconder: moradores de rua, usuários de drogas, crianças de rua e amantes, por exemplo”, diz C215 sobre sua arte.

Confira alguns dos murais que estão espalhando o amor por aí:

grafitti-c2151

grafitti-c2152

grafitti-c2153

grafitti-c2154

grafitti-c2155

grafitti-c2157

grafitti-c2158

Todas as fotos © C215

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Omoya’: websérie debate a força e a herança negra na história da música do Brasil