Arte

Universitária encontra forma inovadora de protestar contra seu estuprador

por: Redação Hypeness

Ela foi estuprada em seu próprio colchão, dentro de seu dormitório na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. A queixa contra o estuprador não foi aceita pela instituição e para protestar, ela usou a arte. Emma Sulkowicz, estudante de 23 anos, vai carregar o colchão onde o crime aconteceu até que o rapaz seja expulso da universidade – demore isso uma semana ou até o fim da graduação.

O comovente protesto se tornou o projeto final para seu bacharelado em Artes Visuais. Intitulado “Carry That Weight” (“Carregue Este Peso”, em português), o ato tem um poderoso valor simbólico ao trazer para o espaço público um assunto pesado e angustiante, que costuma ser deixado no âmbito particular. A artista se propõe a escancarar sua intimidade com o objetivo de dar visibilidade à causa. Afinal, ela não foi a primeira estudante a ser estuprada no campus e, infelizmente, não será a última.

Emma e mais duas alunas prestaram queixa na instituição sobre o mesmo estuprador. A audiência interna sobre o caso, que aconteceu sete meses após o crime, considerou impossível afirmar que os estupros aconteceram, inocentando o estuprador. A estudante afirma ter medo de sair de seu quarto e evita estar perto de pessoas que, por algum traço físico, lembrem-na do rapaz. As consequências não se limitam ao trauma do ato e se ampliam ao julgamento recebido por pessoas que diziam ser suas amigas. “Eu perdi amigos porque algumas pessoas simplesmente não entendem o que significa ser estuprada”, afirmou.

Emma Sulkowicz poderia ficar quieta, guardar esta agressão horrível para si e continuar a vida. Contudo, ela decidiu abrir mão de sua intimidade e falar, expor a situação e lutar contra a cultura machista e a cultura do estupro. Como artista, ela usou a angústia, a raiva, a impotência e o medo como ferramentas de uma arte de protesto, uma arte que grita por mudanças, uma arte verdadeira, chocante e corajosa.

estupro-colchao1

estupro-colchao2

Em momentos assim, vale lembrar o excelente discurso que o escritor Neil Gaiman deu durante uma formatura de Artes Visuais, nos EUA, incentivando a arte como ferramenta de expressão e mudança. Segue trecho:

E quando as coisas ficarem difíceis, isso é o que vocês têm de fazer: façam boa arte. Eu estou falando sério. O marido fugiu com um político? Faça boa arte. A perna foi esmagada e depois devorada por uma jiboia mutante? Faça boa arte. Imposto de renda na sua cola? Faça boa arte. O gato… o gato explodiu? Faça boa arte. Alguém na internet acha que o que você está fazendo é idiota ou ruim ou já foi tudo feito antes? Faça boa arte. Provavelmente as coisas vão se revolver de algum modo e eventualmente o tempo vai levar a dor embora e isso nem mesmo importa. Faça o que só você faz de melhor. Faça boa arte. Faça nos dias ruins, faça nos dias bons também (…) faça a sua arte. Faça a coisa que só você pode fazer.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Fã em cadeira de rodas é carregado por platéia ao palco em show do Foo Fighters; assista