Inovação

Garoto de 15 anos cria aparelho que ajuda deficientes visuais a reconhecer cores

por: Redação Hypeness

Inspirado em deficientes visuais que trabalham com macramé, um tipo de tecelagem, o estudante argentino Matías Apablaza, de 15 anos, desenhou e programou um dispositivo que é capaz de converter cores em avisos sonoros, facilitando a identificação de novelos de lã. Portátil, simples de ser utilizado e barato, o gadget foi apresentado durante a Google Science Fair 2014, evento que promove a ciência e invenção entre os jovens.

Matías aprendeu a programar sozinho, aos 9 anos, tendo como referência vídeos e textos na internet. A necessidade dos deficientes visuais tinha uma solução que, na cabeça do garoto, era simples: bastava converter o conceito abstrato de cores em algo que pudesse ser percebido por eles, como o som. Embora já existam alguns dispositivos como este e os smartphones possam ser usados com apps para o mesmo fim, nenhuma dessas opções é financeiramente acessível para todas as pessoas.

A invenção garantiu a Matías o primeiro lugar na edição argentina da Google Science Fair 2014. O prêmio de US$ 1.000 será utilizado para aprimorar o gadget. “Agora é preciso implementar melhorias para identificar bilhetes e corrigir uma margem de erro de 5% em situações de luz extrema”, afirma.

matias-apablaza3

matias-apablaza4

Fotos © YouTube

MatíasExtra1

Foto © Tecnopolis Argentina

matias-apablaza5

Foto © Matias Apablaze

mathias1

Foto © Google Science Fair

Apesar de relevante e funcional, a invenção de Matias não emplacou os finalistas do prêmio mundial – confira aqui os 15 inventos que concorreram à final global do Google Science Fair 2014.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Maranhão abriga sua primeira escola pública bilíngue