Sustentabilidade

Centro comunitário sustentável é construído usando apenas materiais que iriam para o lixo

por: Redação Hypeness

Os itens que você joga no lixo podem servir para muitas coisas. Depois de transformar os resíduos em sapato e até arte de rua, os habitantes do Malawi deram uma nova utilidade ao lixo nosso de cada dia: ele está sendo usado para a construção de um centro comunitário sustentável no país.

O espaço terá como objetivo prestar alguns serviços básicos à população carente da região de Mzimba. A sustentabilidade da construção não fica apenas nos materiais utilizados, mas também em seu funcionamento. O Centro Comunitário Kapita Earthship irá contar com estufas de alimentos, sistema de captação de água da chuva e painéis para captação de energia solar e promete oferecer água, energia, alimentos e outros recursos à população da região. O projeto inclui até mesmo uma escola e um posto médico, que devem melhorar a qualidade de vida dos habitantes do local. Ao todo, 38 comunidades serão atendidas no centro comunitário.

Parte das obras está sendo viabilizada pelo escritório Earthship Biotecture, mas, para que a construção seja finalizada, ainda é preciso arrecadar U$ 60.000 (cerca de R$ 160.000) em doações, além de reunir 40 voluntários para trabalhar no local. O espaço está sendo projetado em formato de flor e conta com a participação da população na construção, fazendo com que o envolvimento do povo se dê desde o início do projeto.

 malawi1

malawi2

malawi3

malawi4

malawi5

Fotos: Divulgação/Earthsip Biotecture

Veja mais sobre o projeto no vídeo abaixo (em inglês):

Para fazer uma doação ou participar como voluntário, clique aqui.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Leilão ameaça baleias em Abrolhos enquanto petróleo avança por litoral do Nordeste