Sustentabilidade

Pedreiro brasileiro constrói casa com 11 mil garrafas PET

por: Redação Hypeness

Trabalhar para ganhar dinheiro e economizar para um dia construir sua própria casa. Um imóvel próprio talvez seja o sonho mais comum à maioria dos brasileiros. Mas e se fosse possível construir sua moradia e ao mesmo tempo preservar o meio ambiente? Sim, é possível.

Quem demonstrou isso na prática foi o pedreiro Ed Mauro Aparecido Morbidelli. Utilizando nada mais nada menos do que 11 mil garrafas PET, Ed colocou sua casa em pé na cidade de Extrema, em Minas Gerais.

A residência tem cerca de 100 metros quadrados. O alicerce é de pedra para evitar a umidade e tem a mesma largura das garrafas plásticas. Estas foram recheadas de terra e cimento para compor as principais paredes, mas a sustentabilidade do projeto não para por aí. O arrimo é de pneus usados e o acabamento foi todo feito em barro. O resultado alcançado em dois trabalhosos anos é uma casa eficiente, que armazena calor durante o frio e mantém o ambiente fresco em dias quentes.

Além de reaproveitar um grande volume de plástico que poderia ser descartado irresponsavelmente na natureza, a técnica empregada por Ed permite uma construção bem mais em conta. Se você já ergueu ou reformou uma casa, então sabe bem o quanto a conta pode fugir do controle por conta dos gastos com materiais tradicionais.

Será que essa iniciativa sustentável, econômica e eficiente apresentada por um pedreiro inovador não pode servir de exemplo por aí?

casapet06

casapet05

casapet04

casapet03

casapet02

Conheça a estufa feita com bambu e garrafas PET que também serve de dormitório.

Todas as fotos via

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Guia Alimentar: “Ultraprocessados são a ‘terra plana’ do Ministério da Agricultura”, diz especialista