Inspiração

O alpinista que escalou as maiores montanhas do mundo sem sequer enxergar onde estava pisando

por: Mari Dutra

Erik Weihenmayer é um exemplo de superação para muita gente. O alpinista americano provou para o mundo que não é preciso enxergar os próprios pés para subir cada vez mais alto. Foi assim que, mesmo sem ver onde estava pisando, Erik conquistou os Sete Cumes – nome dado ao conjunto das montanhas mais altas de cada continente. O alpinista foi o primeiro homem cego a realizar esse feito, que inclui até mesmo o monte Everest, o mais alto do mundo.

Erik tinha apenas 13 anos quando ficou completamente cego, devido a uma doença degenerativa da retina. Algum tempo depois, ele participou de um final de semana de escaladas promovido por uma associação de apoio a deficientes visuais. Desde então, não parou mais de praticar o esporte.

É claro que o alpinista precisou adaptar algumas técnicas para poder seguir escalando mesmo sem ver. Foi assim que descobriu que poderia “enxergar” com as mãos ao escalar um paredão de rocha, sempre apalpando o terreno em busca de fissuras e saliências; e que aprendeu a usar o cabo de uma espécie de picareta, essencial para subir paredões de gelo, como uma bengala de cego, capaz de cutucar o gelo e avaliar o nível de segurança oferecido através da vibração sentida e, assim, poder fixar a picareta no local certo.

Erik conta sua história no livro As Vantagens da Adversidade, em que explica como superou as suas limitações para alcançar os objetivos. Hoje o alpinista já é exemplo para outros deficientes visuais que buscam viver aventuras e superar limites e já levou  até mesmo um grupo de garotos tibetanos cegos para uma escalada parcial do Everest.

Veja as imagens de algumas de suas aventuras e inspire-se:

erik erik2 erik3 erik4 erik5 erik7 erik8 erik9 erik10

Todas as fotos: Divulgação Acompanhe as aventuras de Erik no site Touch The Top.

Publicidade


Mari Dutra
Criadora do Quase Nômade, contadora de histórias, minimalista e confusa por natureza, com os dois pés (e um pet) no mundo. Chega mais perto no Instagram.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ninguém é ‘normal’; animação estimula auto aceitação entre crianças