Inspiração

Vídeo sensível mostra que, para o amor, somos todos iguais

por: Redação Hypeness

Nós não somos iguais. Temos gostos diferentes, personalidades únicas, religiões, cor de pele, orientação sexual, nossos próprios sonhos e medos. Mas nem por isso deveríamos ser impedidos de amar. Algumas pessoas, contudo, têm uma certa dificuldade em lidar com diferenças, posicionando-se contra o casamento homossexual, a amizade entre pessoas com religiões diferentes ou o amor entre pessoas com cor de pele diferente – a gente sabe que é 2015, mas essas pessoas ainda existem.

Com isso em mente e com o objetivo de vencer preconceitos, a organização norte-americana Ad Council preparou uma ação bastante sensível. Uma “radiografia gigante” foi instalada em uma praça, na Califórnia, e gestos de amor foram trocados atrás da tela, sendo possível ver apenas os esqueletos. Aos poucos, as pessoas por trás da radiografia foram reveladas, surpreendendo os espectadores e provando que, para o amor, nós somos todos iguais.

O vídeo da ação, intitulado “Love has no Labels” (“O amor não tem rótulos”, em português) já foi visualizado mais de 15 milhões de vezes e deixa claro que, no fundo, somos todos esqueletinhos iguais e que as diferenças devem ser superadas. O vídeo tem uma boa intenção e é bastante sensível, mas não seria mais fácil se todos nós aceitássemos que somos diferentes, independente de uma radiografia? Assista ao vídeo:

amor-raiox1

amor-raiox2

amor-raiox3

amor-raiox4

amor2

amor3

amor4

amor5

amor6

amor7

amor8

amor9

amor10

amor12

amor13

amor14

amor15

amor16

amor17

amor18

amor19

amor20

Todas as imagens: Reprodução YouTube

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Escravizado que restaurou Catedral da Sé é reconhecido arquiteto 200 anos depois