Arte

Pintor deficiente visual arrecada mais de U$ 1 milhão para projetos sociais com seus trabalhos em 3D

Redação Hypeness - 10/04/2015 | Atualizada em - 05/12/2019

Da próxima vez que alguém disser para você não tocar nas obras de arte, você vai lembrar de Jeffrey Hanson, um artista que cria telas não apenas para serem vistas, mas também sentidas. Por conviver com uma deficiência visual, o pintor aprendeu a extrapolar os limites da arte, transformando cada quadro em uma verdadeira escultura em 3D.

O processo de criação de Jeffrey começa quando ele passa uma espessa camada de plástico sobre a tela – técnica comum entre pintores com deficiência visual. Assim que esta camada endurece, o artista a reveste com tinta preta e, a partir daí, passa a criar, sendo guiado pela textura. O resultado são obras abstratas que expõem composições complexas e repletas de sensibilidade.

Jeffrey foi diagnosticado com neurofibromatose, doença genética que lhe causou um tumor no nervo óptico, resultando na perda da visão. Por coincidência, foi justamente enquanto fazia quimioterapia, que ele começou a pintar. O que a princípio era um hobby não o abandonou mais e foi transformado em negócio: após cerca de 1.400 trabalhos, o artista já arrecadou mais de U$ 1 milhão (perto de R$ 3 milhões) para causas filantrópicas desde os 19 anos. Hoje, suas obras são responsáveis por cativar até mesmo fãs famosos, como Warren Buffett e Elton John.

O vídeo abaixo conta mais sobre a história do artista (em inglês):

[youtube_sc url=”https://youtu.be/cPl7iIGKnqQ”]

JeffHanson1

pint1

pint2

pint3

pint4

pint5

pint6

pint7

pint8

pint9

pint10

pint11

pint12

pint13

pint14

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Uyra Sodoma: drag da Amazônia, arte-educadora, ponte entre mundos, filha do diálogo