Arte

Artista pinta 5500 retratos de cães para representar o número de animais mortos por dia em abrigos nos EUA

por: Redação Hypeness

Há três anos, Santina, a cachorra do pintor Mark Barone, morreu. O vazio que 21 anos de companheirismo deixou foi preenchido com tinta em um projeto animal: An Act of Dog.

Depois da morte de Santina, Marina Dervan, companheira de Barone, sugeriu que eles adotassem um novo cão. Ele relutou, mas isso não a impediu de sair à procura de um novo cão. Porém, em sua busca, ela não encontrou apenas um animal que precisasse de um novo lar, mas todas as estatísticas sobre a quantidade de animais que são mortos dentro do sistema norte-americano de abrigos, e o modo cruel como isso é feito. Ela quis que Barone soubesse daquilo. Dois dias depois ele disse: “Eu tenho uma visão muito clara do que eu quero fazer para resolver o problema”.

O artista decidiu que faria 5500 retratos, o mesmo número de cachorros mortos diariamente nos abrigos dos EUA. Com o objetivo de dar um rosto e um nome para cada animal, Barone compilou fotografias publicadas nos sites dos abrigos de todo o país para compor tais obras.

Em dois anos foram pintados 3 mil e 500 retratos. O casal pretende construir um espaço para essas obras: um museu sem fins lucrativos que possa existir de maneira sustentável e que gere conscientização pública para converter os abrigos em instituições que poupem a vida dos animais. Na página do projeto é possível saber mais sobre a causa e fazer doações.

retrato1

retrato2

retrato4

retrato12

retrato13

retrato14

retrato15

retrato16

retrato6

retrato11

Todas as imagens © An Act of Dog

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Artista dá vida nova a bustos, pinturas antigas e fotos transformando-os em retratos hiperrealistas