Sustentabilidade

Engenheiros fazem plano para que os EUA usem 100% de energia limpa até 2050

por: Bruna Rasmussen

Os Estados Unidos está entre os países mais poluidores do mundo. O tamanho de sua população e o ritmo industrial acelerado exigem o consumo de combustíveis fósseis, que liberam na atmosfera gases prejudiciais. Mas no que depender de um time de engenheiros liderado pelo professor Mark Z. Jacobson, da Universidade de Stanford, os 50 estados dos EUA poderão usar 100% de energia limpa até 2050 – um plano no mínimo ousado.

O grupo acredita que a mudança completa da forma como a energia é gerada no país não só contribuiria para combater o aquecimento global, como também criaria novos empregos e ajudaria a estabilizar os preços da energia. Para isso, eles fizeram uma longa análise sobre cada estado, entendendo a demanda atual por energia e projetando a demanda futura nos setores residencial, industrial, comercial e de transporte. Foram observados ainda os métodos de captação de energia limpa ideais para cada lugar e levadas em conta as tecnologias atuais.

O resultado desta extensa pesquisa é um super guia que prova ser possível tornar as fontes de energia dos EUA totalmente limpas em 35 anos e que fornece todos os passos necessários para tal. “As principais barreiras são sociais, políticas e fazer as indústrias mudarem. Ao mostrar que [a mudança] é tecnologicamente e economicamente possível, este estudo poderia reduzir essas barreiras e dar início à transformação em larga escala“, afirma Jacobson. Será mesmo possível?

energia-limpa-eua-2

Foto CC Chrishna

energia-limpa-eua-3

Foto CC Walmart Corp.

energia-limpa-eua

Foto via Phys.Org

Via Phys.Org

Publicidade


Bruna Rasmussen
Bruna escreve para a internet desde 2008 e tem paixão por consumir informação e descobrir coisas. Adora gatos, inovação e é curitibana – fala “duas vinas”, mas dá “bom dia” no elevador.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Patinetes poluem mais que carro e moto, diz estudo