Arte

Artista cria livro ilustrado para mostrar como é passar pela experiência de um aborto

por: João Diogo Correia

Ao longo da vida, são várias as pessoas que passam por experiências traumáticas e muito variáveis as formas de lidar com elas. Alguns preferem nunca falar sobre o assunto, outros optam por compartilhar com o mundo em busca de apoio, outros ainda se refugiam na escrita ou na sua própria arte. Leah Hayes, além de escritora, é também artista, baseada em Nova York, e encontrou no desenho o melhor meio de expressar os conceitos e dificuldades da brutal experiência de um aborto.

No livro que está prestes a lançar, Not Funny Ha-Ha: A Handbook for Something Hard (“Não é Engraçado Ha-Ha: Manual para Algo Difícil”, em tradução livre), a artista ilustra as duras realidades do aborto, tanto cirúrgico como farmacológico. “Eu senti que tinha algo a dizer sobre o que é abortar, e desenhar é a minha forma de contar essa história“. Hayes explicou, em entrevista ao BuzzFeed, que a ideia do livro “não é definir o que é certo ou errado“, mas oferecer uma nova perspectiva sobre um tema tão sensível e ajudá-la a lidar com seus próprios sentimentos acerca dele.

A forma de o fazer [através de um livro ilustrado] pode ser pouco convencional, mas eu quis oferecer uma sensação de conforto e abertura, ao mesmo tempo que demonstrava o peso do assunto“, conta a norte-americana. “Not Funny Ha-Ha: A Handbook for Something Hard”, à venda na loja da Amazon, foca a narrativa em duas personagens fictícias, Mary, de 23 anos, e Lisa, de 31, com percursos de vida e escolhas diferentes, mas uma vontade comum: decidir sobre o próprio corpo.

Veja abaixo alguns trechos do livro (legendas com tradução livre):

Aborto1

Aborto2

Se você descobrir que está grávida mais tarde (por exemplo, não tendo o período), você pode decidir fazer um aborto“.

Aborto3

Por vezes, essas coisas acontecem”; “Acho que a camisinha furou”; “Uh-oh”

Aborto4

E por vezes, você simplesmente não está numa fase da sua vida em que faça sentido ter um bebê”; “Seja qual for a razão, tudo bem. É a sua razão“.

Aborto5

Nossas histórias são sobre uma garota a que chamaremos de Mary e outra a que chamaremos de Lisa”.

Aborto6

Essas meninas não se conhecem e moram em lugares diferentes. Lisa mora na cidade enquanto Mary mora em um vilarejo. Ambas decidiram fazer um aborto quando descobriram que estavam grávidas. Uma decidiu fazer um aborto cirúrgico e outra um farmacológico (mas mais sobre isso lá na frente)”.

Aborto7

O quê? Existem diferentes tipos de aborto? Pois sim”.

Aborto8

Se puder, a melhor coisa a fazer é primeiro contar para alguém em quem você confie, você não precisa passar por isso sozinha”; “Lisa é muito próxima da família, então decidiu contar para a mãe e irmã. Não foi fácil, mas elas a fizeram sentir acompanhada”.

“Mary não é tão próxima da família, então preferiu não contar para eles. Contou para a melhor amiga.”

Aborto9

“Não se assuste se sentir cólicas, tonturas, calafrios, enxaqueca, náusea, febre”; “Mas, por favor, chame um médico assim que sentir que esses sintomas estão durando mais do que o normal”.

Aborto10

“Quer seja uma decisão complicada ou tomada sem grandes ponderações; quer você tenha um parceiro ou não; quer você tenha uma ótima relação com sua família ou não tão maravilhosa… o importante é você lembrar que a decisão final é SUA e ninguém deve te dizer o que fazer (duh.. é o seu corpo)”.

“Não sei, acho que você está cometendo um erro”.

“… E é por isso que você pode ir se f*der”.

Aborto11

“Por quê este livro?”

“Existem várias razões pelas quais decidi escrever este livro e compartilhá-lo. O tema do aborto é complicado: é colocado muito foco no certo/errado, deve/não deve, a favor/contra, escolha/não escolha, etc… o discurso político começa quase imediatamente na decisão de abortar ou não, e depois se joga descontroladamente para o final do processo. Você abortou: fez o certo ou errado? É conflituosa? Como você se considera, pró-escolha ou pró-vida? Você se arrepende, de qualquer forma? O que significa se arrepender de um aborto? O que significa se arrepender de não ter feito um aborto? O tema está carregado com ideias e questões pesadas, e muitas vezes impossíveis de responder, tanto felizes como tristes, que nos empoderam ou assustam”.

Aborto12

Eu espero que muitas mulheres e homens possam lê-lo: Eu quero que seja para todos“, explica a autora. “E gostaria que as pessoas o vissem como a interpretação de um ilustrador de algo muito complicado e importante“.

Todas as fotos © Leah Hayes

Publicidade


João Diogo Correia
É português, viveu no Brasil, Itália e Espanha. Fez a melhor viagem da sua vida pela África e agora está de volta a Portugal. Há mais de três anos, começou a trabalhar remotamente, a partir de casa ou em qualquer lugar com wi-fi, e por isso agradece todos os dias à internet.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Maior exposição de LEGO do mundo traz personagens DC Comics a SP