Seleção Hypeness

Seleção Hypeness: 20 bons motivos para amar São Paulo hoje e sempre

por: Brunella Nunes

Terra de contrastes, de surpresas, de oportunidades. São Paulo, essa Pauliceia desvairada, completa 464 anos em 2018 e, mesmo já sendo uma anciã, continua acumulando apaixonados em sua extensa listinha. Em homenagem a ela, citamos 20 bons motivos para amar a cidade hoje, amanhã e sempre.

Os números dentro da metrópole são exorbitantes: 20 mil bares e 15 mil restaurantes, com 52 culinárias diferentes; 4.500 pizzarias. 3.200 padarias; 5 milhões de carros circulando; 240 mil lojas; 53 shopping centers; 5 mil pet shops e 50.800 indústrias dentro da capital. Isso só pra falar de alguns dados…imagina todos. Com tanto movimento, que chega até a nos sufocar, quanto mais eu conheço a cidade, mais eu quero ficar nela.

Com uma programação cultural extensa, é diversão que não acaba mais e o melhor é que dá pra fazer muito rolê gastando pouco. Quando você se cansar dela, saiba que a poucos quilômetros de distância dá pra fugir para lugares incríveis, ainda dentro do Estado, que já mostramos aqui. Quem odeia SP e acha que ela só tem coisa ruim ou “já deu o que tinha que dar”, aqui vai uma lista para rever seus conceitos e descobrir que a beleza da cidade mora nos pequenos grandes detalhes do dia a dia:

1. Meditação no topo de edifícios

Não é toda cidade que tem esse poder, não. O topo dos edifícios tem sempre uma vista maravilhosa pra gente ver e, aliás, está entre os 10 skylines mais bonitos do mundo segundo pesquisa do grupo alemão Emporis. Mas, além de apreciar o visual, já pensou em meditar a muitos metros de altura? Alguns prédios, como o Martinelli e o Copan, sediam em seus terraços os eventos inusitados do grupo Awaken Love e de templos budistas.

2. Diversão e serviços com horários estendidos

O Parque Ibirapuera – considerado um dos melhores do mundo -, que fica aberto até 0h todos os dias, e da Biblioteca Mario de Andrade, com portas abertas até as 22h. Mas tem opções 24 horas também: Restaurantes, academia, supermercado, dentistas, docerias, floriculturas e até pet shop ainda se incluem nessa categoria.

BMA

3. Arte urbana por todos os cantos

Não tem mais como chamar São Paulo de cidade cinza, vamos combinar. Nos últimos tempos a cidade se transformou numa verdadeira galeria a céu aberto, abrigando ainda um dos maiores museus do tipo dentro da América Latina. A Vila Madalena, a Av. 23 de maio, o Centro, o Grajaú e o bairro do Cambuci são algumas das regiões mais coloridas da cidade, incluindo ainda manifestações artísticas diversas, como lambe-lambe, sticker e outras intervenções bacanas. Na foto abaixo, mural feito no Grajaú.

GrajauGraffiti-6

4. Jazz, rock e pop numa mesma calçada

Com milhares de pessoas circulando diariamente, as calçadas da Av. Paulista ganharam ainda mais movimento – e mais vida – com a presença constante de músicos dos mais diversos gêneros. Por lá é possível curtir gratuitamente apresentações de rock, pop, jazz e até música country, interpretadas por artistas independentes que criam um verdadeiro mix sonoro ao longo de toda a via. Na foto, o duo Sax in the Beats.

Sax in the Beats

5. Horta urbana e fruto do pé

Como não amar uma cidade que, mesmo desse tamanho, reserva um lado “roça” que muita gente nem se dá conta? Se as melhores coisas da vida são as mais simples, então pegue sua enxada e trate de montar uma horta comunitária no seu bairro. Se a preguiça fala mais alto, você pode recorrer e participar de tantas que já existem, como a Horta dos Ciclistas na Av. Paulista e a Horta do CCSP, na Vergueiro. E, na hora de um lanchinho saudável, você ainda pode sim roubar fruta do pé. No Museu do Ipiranga tem um pé de jaca sempre carregado, além de pé de romã, mamão e limão dando sopa pelo bairro. Ô coisa boa!

arvoresfrutasSP

FrutaSP

6. Café da manhã até no ponto de ônibus

Tem coisa mais gostosa do que acordar com cheirinho de café? Na correria, muitos paulistanos sequer tem a chance de sentir o cheiro, quiçá provar a bebida. Mas, graças a uma galera empreendedora e inteligente, fica fácil encontrar café da manhã no meio da rua, em esquinas, pontos de ônibus e lugares próximos a estações de metrô. E o melhor: tudo feitinho em casa pelos vendedores ambulantes e seus familiares.

No caso do Seu Neves, que falamos aqui, ele foi além e criou um esquema para que moradores de rua também degustem e se aqueçam com uma xícara de café. São poucas as cidades do mundo que têm esse privilégio.

7. Bikes gratuitas e ciclovias

Fale bem ou fale mal, as ciclovias – que já somam 400 km de extensão – vieram para ficar e para mudar o estilo de vida dos paulistanos. E no meio disso tudo até as instituições financeiras milionárias resolveram apoiar e investir em bicicletas comunitárias. Por até 1 hora, você pode usar a mesma bike sem pagar nada e dar um rolê pela cidade. Bora pedalar! Aos fins de semana as ciclofaixas ficam disputadas.

8. Festa todo dia

Fato: a cidade não dorme. E as festas não param. De segunda a segunda você encontra uma festinha rolando, das gratuitas e abertas até as mais VIPs. É festa na rua, na balada, no apê, na praça, shows…festas que são capazes de celebrar cada ano que a cidade completou. Já podemos celebrar esse título também com mais festa então. Na foto, o bombante PanAm Club, que tem uma vista linda!

PanAm

9. Museus hi-tech

Com uma infinidade de museus e galerias, fica fácil conhecer gente que obviamente nunca foi a todos os museus da cidade. Dos mais tradicionais aos mais modernos, vale destacar os museus que investem em tecnologia e criam toda uma interação com o público, trazendo novas formas de se exibir e arquivar conteúdos históricos. O Museu do Futebol, o Museu Catavento e o Museu da Lâmpada são algumas das instituições que fazem bom uso da tecnologia.

museu-do-futebol

10. Aprendizado diferente

Além de oferecer oficinas culturais nos mais diversos níveis e endereços, SP tem investido também em novas formas de ensino. Para quem acha que só instituições particulares oferecem algo inovador, vale a pena conhecer a Escola Municipal Amorim Limaonde os alunos tem bastante autonomia.

Outra iniciativa bacana é a criação dos FabLabs, laboratórios tecnológicos abertos ao público, com acesso à internet, impressoras 3D e cursos na área. Já o LabHacker é focado em Dados Abertos, Cultura e Ética Hacker, Transparência e Participação Política. Na hora de aprender idiomas, agora há chances de aprender com refugiados, que ensinam suas línguas.

FabLab

11. Tem coxinhas para todos os gostos e bolsos

A coxinha, essa bolota frita de formato inconfundível, é o salgado favorito do paulistano, então merece um tópico só pra ela. Em qualquer boteco que se preze você encontra uma coxinha a espera de uma mordida (talvez há dias, mas encontra). Eis que surgem ao longo dos anos muitas receitas do quitute, sendo a do bar Veloso uma das melhores, seguida pela do FrangÓ, da Ofner, do BH Lanches e, pra quem curte variedade de recheio, os mais de 60 sabores da Santa Coxinha.

Veloso

12. É de todas as tribos

Difícil encontrar uma criatura desse mundo que não se encaixe em São Paulo. Na verdade, mesmo quem não se encaixa em lugar nenhum, se encontra, sabe? Os nerds se divertem em lojas como a Geek.etc; os skatistas se arrebentam na Praça Roosevelt; os roqueiros vão para a 13 de maio e Galeria do Rock, enquanto os orientais acham tudo e mais um pouco da sua cultura no bairro Liberdade, e por aí vai.

O público LGBTT – que infelizmente ainda passa por preconceitos bizarros – também encontra bastante variedade na cidade, no que diz respeito a diversão. O Chilli Pepper Single Hotel é um misto de hotel e sauna gay, com ambientes bem bonitos, que faz um sucesso danado entre os homens. #ficadica  

ChilliPepper

13. Vias fechadas para as pessoas

Parece um sonho ver a Avenida Paulista fechada aos domingos, com todo mundo se divertindo horrores no meio da rua. Mas é verdade, então quem não gosta: aceita que dói menos. O mesmo acontece com o Minhocão, que além de não ter mais em uso o nome de um cara que consolidou a ditadura no Brasil, é fechada para os carros aos fins de semana e recebe um monte de eventos bacanas.

minhocao2

14. Feiras e festas temáticas maravilhosas

Multicultural, SP não poderia deixar escapar as várias nacionalidades que por aqui passam. Por isso é tão importante curtir as feiras e festas dedicadas a essa pluralidade toda. Tradicional no Bixiga, a Festa de Nossa Senhora de Achiropita  e a Festa de Nossa Senhora de Casaluce atrai toda a italianada. Já a Feira da Kantuta propaga a cultura andina, assim como a Feira da Liberdade e o Ano Novo Chinês faz com os orientais. E tem também a Oktoberfest, a Feira Escandinava e a Feira do Leste EuropeuNão perca ainda a Festa do Imigrante no Museu da Imigração.

kantuta_5

15. Balada pela manhã

Já é dia, o sol já raiou, mas as pessoas só querem saber de continuar dançando. Melhor ainda se for numa das melhores baladas do mundo, como é caso da D-Edge, que há alguns anos mantém todo mundo no pique durante a festa Superafter até, pelo menos, as 10 horas da manhã. Outra opção é eventos esporádicos de Daybreaker, festinha com dança e ioga logo cedo.

superafter

Daybreaker

16. Tem até borboletas 

A menos de uma hora do Aeroporto de Congonhas, o Borboletário Águias da Serra tem mais de 2 mil borboletas de 27 espécies, que voam ao som de música clássica. Adultos e crianças aprendem muito sobre os insetos, além de observá-los em suas mais diversas cores. Em Osasco e Diadema também tem borboletários que valem a pena conhecer, além de um em menores proporções no Museu Catavento Cultural e Educacional.

borboletario

Borboletario2

17. Parques lineares incríveis

O parque High Line em Nova York é uma verdadeira inspiração. Mas por aqui também temos parques lineares: a Parque Linear das Corujas, na Vila Madalena, criado pelos próprios moradores, e o Parque Linear Cantinho do Céu, um lugar super agradável no Grajaú. Há ainda planos antigos para criar o Parque Linear do Córrego Verde, também na Vila Madá.

ParqueLinearGrajau

18. Passeios de Maria Fumaça

Rumo a Guararema, o passeio a bordo de uma locomotiva de 1927 pode ser uma boa pedida para o fim de semana. A Maria Fumaça 353  sai da capital em direção a estação de Luis Carlos. Em Paranapiacaba, pitoresca cidade na região do Grande ABC, o Trem dos Ingleses percorre um trecho da linha original, no Pátio de Manobras, dentro do Museu Ferroviário. Já o Trem dos Imigrantes passa pela Mooca e pelo Brás por uma vila ferroviária.

Maria Fumaça

19. Mercados de tudo o que é tipo

Pistache iraniano, ervilha com wasabi e pitaia colombiana definitivamente são produtos difíceis de se encontrar, mas tem no Mercado Municipal. A cidade tem mercados para tudo quanto é tipo de prato, como a Zona Cerealista, onde se reúnem grãos dos mais variados, vendidos a granel; o Mercado Marukai, na Liberdade, destinado a produtos orientais; e ainda o Eataly, que reúne os melhores ingredientes da Itália. Os empórios também oferecem ótimos itens importados e de várias partes do Brasil.

EatalyNutella-17

20. Um Solo Sagrado

Numa área de  327.500 metros quadrados, cercada por verde e por parte da Mata Atlântica, está o Solo Sagrado de Guarapiranga. Propriedade da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, o espaço atrai fiéis – e também eventos – de todos os credos por criar um trecho de paz e tranquilidade no extremo sul da capital. Um centro cultural abriga exposições, cursos e oficinas de Ikebana, além de demonstrações da tradicional cerimônia do chá. Piqueniques e uma horinha para descansar podem ser uma boa pedida.

Solo Sagrado

solosagrado

Todas as fotos: Divulgação

Publicidade


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Programa do GNT mostra que a verdadeira beleza é a que está dentro de nós