Debate

Vídeo poderoso mostra como a publicidade continua sendo escandalosamente machista

Redação Hypeness - 26/01/2016 | Atualizada em - 21/07/2017

Como podemos continuar exigindo que as cantadas na rua acabem de uma vez quando os próprios publicitários e diretores de marcas, pessoas formadas, remuneradas e teoricamente esclarecidas, são os primeiros a espalhar o machismo como se ele fosse aceitável?

Fica difícil acreditar, mas pode: todos estes anúncios são verdadeiros e foram produzidos em pleno século XXI. Agora, um grupo de mulheres que se recusa a continuar a ser vista como objeto, com o apropriado nome de #WomenNotObjects, reuniu uma série de exemplos que só podem merecer repúdio e revolta.

WomenVideo

Vale a pena ver, para nos lembrarmos que o machismo existe e está por todos os lados. E vale a pena olhar ao redor, para os anúncios na TV e nas ruas, para não nos esquecermos de cobrar a mídia e as marcas pelo respeito que as mulheres merecem. O vídeo é feito com mulheres, mas esta é uma luta de todos:

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=5J31AT7viqo”]

WomenVideo1

“Eu amo fazer boquetes para sanduíches”.

WomenVideo2

“Eu amo dormir com homens que não sabem meu nome”

WomenVideo3

“Eu espero que quando a minha filha crescer, tenha amigas como estas”.

WomenVideo4

“A chave para o meu coração – um homem que cheira a vagina”.

WomenVideo5

“Eu amo sacrificar minha dignidade por um drink”.

Todas as imagens: Reprodução YouTube

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Casal diz que ataque racista contra jovem negro no Leblon não foi por causa da cor de pele