Inspiração

Documentário sensível mostra as dores de quem perdeu um filho antes ou logo após o parto

por: Redação Hypeness

Se toda dor é individual, intransferível e incomensurável, há um comum acordo a respeito da perda de um filho como sendo a pior de todas as dores – que desafia qualquer lógica, o tempo e nossas expectativas.

Diante da desmesura dessa ausência, o casal Rafaella Biasi e Fabricio Gimenes partiu da própria dor de perder seu filho Miguel, dias antes do parto, para realizar um projeto sobre parte peculiar de tema tão duro: um documentário sobre a perda gestacional, quando o bebê morre antes do parto, e a perda neonatal, quando o bebê morre logo após o parto.

O projeto se chama O Segundo Sol, e reúne o relato de cinco famílias que vivenciaram tais perdas. Como diz o cartaz do filme, são “histórias reais de transformação diante da perda de um filho”. Segundo Rafaella, o documentário procura jogar luz sobre um tema ainda tratado como tabu, pois o acolhimento para esse tipo de luto costuma ser tímido, bruto ou mesmo nulo – como se a vida do neném não tivesse existido, e principalmente, como se a vida das famílias não fosse alterada.

Rafaella perdeu Miguel nos últimos dias de gestação e teve de parir em parto natural um filho sem vida – o que, para ela, ajudou no processo de luto, pois ver e tocar seu filho lhe permitiu que a despedida ganhasse concretude. Depois da perda, a necessidade de falar, escutar, dar voz ao seu luto se fez tremenda – e dessa necessidade nasceu O Segundo Sol.

Rafaella, grávida de Miguel © Divulgação

Rafaella, grávida de Miguel © Divulgação

O filme busca questionar de que maneira não só as pessoas em volta, mas os próprios hospitais e profissionais de saúde tratam as mães e as famílias que vivenciam uma perda gestacional – não separando, por exemplo, essas gestantes de outras mães que sairão do hospital com o filho em seus braços. Além das famílias, uma doula, uma psicóloga, uma psicoterapeuta e um obstetra participam do filme.

O casal de diretores, Rafaella e Fabricio. Foto © Eliza Guerra

O casal de diretores, Rafaella e Fabricio. Foto © Eliza Guerra

O documentário, no entanto, não é feito somente de lamentos. Segundo Rafaella, o aspecto mais forte do filme é a investigação sobre o ponto de virada de cada uma dessas histórias. O X da questão, para ela, é descobrir de onde veio a reviravolta, quando foi que o casal descobriu que ainda havia vida a ser vivida, sublinhando acima de tudo a certeza de que não ter voz, não ter interlocutor, não poder contar a própria história é a medida de uma dor que não possui medida alguma.

Vale a pena assistir a O Segundo Sol, disponível na íntegra no YouTube:

Rafaella, em cena do documentário © Youtube

SEGUNDOSOL4

Para saber mais, acesse o site do projeto O Segundo Sol.

Recentemente o Hypeness mostrou a história de uma mãe que encontrou uma maneira inspiradora de lidar com a morte gestacional de seu filho. Relembre.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Uber anuncia viagens de graça para quem for doar sangue