Arte

Esse cara consegue tocar todas as músicas do Nirvana em 5 minutos; assista

por: Redação Hypeness

O baterista australiano Kye Smith encontrou uma curiosa e bastante habilidosa maneira de homenagear seus artistas preferidos: compactar toda a carreira de uma banda em uma montagem de 5 minutos, editando e colando trechos das canções, e tocar a baterias junto com a montagem, viajando no tempo através dessas obras. Kye já havia homenageado artistas como Beatles e o Green Day; agora é a vez do Nirvana.

Assim que ouve-se o ronco do baixo que inicia a canção Blew, abertura do primeiro disco do Nirvana, Bleach, e a bateria entra em cena, o único momento de todo o vídeo que Smith deixa de tocar é na balada Polly, do disco Nervermind. A maratona termina com You Know You’re Right, faixa lançada anos após a morte de Kurt Cobain, e a última gravação original lançada oficialmente pela banda até hoje.

No vídeo em homenagem aos Beatles, no entanto, o baterista não executa todas as canções do quarteto inglês – afinal, diferentemente do Nirvana, que lançou somente três discos de estúdio, o número de canções originais lançadas pelos Beatles passa com folga de 200, e para compactar tamanha obra em 5 minutos, cada trecho teria que durar menos de três segundos.

O que ele propõe, nesse caso, é um passeio cronológico por muitos dos diversos clássicos lançados pelos quatro cavaleiros de Liverpool, em uma seleção que ilustra do repertório que a banda trabalhou, de seu início até o último disco, Abbey Road, em 1970.

Veja abaixo, outras cronologias realizadas pelo baterista:

Recentemente o Hypeness publicou um experimento que mostra como uma bateria soa diferente em cada lugar. Relembre.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Netflix vai além do ‘ligue djá’ e discute gênero em premiado documentário sobre Walter Mercado