Inspiração

6 momentos da vida urbana em que (não mais que de repente) o amor pode acontecer

por: Redação Hypeness

“O amor é difícil, mas pode luzir em qualquer ponto da cidade”. O poema de ‘A Vida Bate’, de Ferreira Gullar, pode ficar martelando na sua cabeça daqui pra frente. Isso porque não há um ser humano nessa vida que nunca tenha apaixonado em momentos cotidianos da vida urbana, bem no meio do caos da cidade.

Enquanto muitas pessoas estão solteiras por opção, outras não veem a hora de viver uma grande história de amor. Na correria e nos percursos que fazemos, é até engraçado pensar em como pode brotar um sentimento bom desses. Entre buzinas, poluição, trânsito e baderna, seu coração pode bater mais forte por alguém, e o melhor: ser retribuído!

1. O amor chega de transporte público

Se apaixonar entre os trilhos do metrô/trem ou no balanço do busão: quem nunca? Você está no meio do percurso, numa muvuca épica da qual nem sabe se vai sair vivo e de repente aparece o amor da sua vida! Não dá pra lidar, gente. A troca de olhares é a única parte divertida do trajeto.

happn1

2. Até quem me vê na fila (do pão) sabe que eu te encontrei

Quem vive nas grandes cidades está acostumado com uma coisa: filas. Nesse tédio interminável você está ali, ouvindo uma musiquinha, quando inevitavelmente começa a dar aquela flertada básica com alguém que está te mirando. Se a pessoa te viu sofrendo numa das situações mais chatas da vida e já te amou, pode apostar que é pra valer!

happn2

3. Entre as prateleiras empoeiradas, o amor

Sabe aquela cena de filme onde duas pessoas ficam se seguindo “sem querer” entre as prateleiras da biblioteca ou livraria? Então, é cafona, mas é uma cena da vida real, minha gente! Este caso já tem uma vantagem: a sintonia, afinal, vocês estão no mesmo lugar, na mesma hora e tcham! Procurando livros nas mesma seção. Almas gêmeas, meu bem.

happn3

4. O amor tem pressa (e você também!)

Estamos vivendo uma era onde o sedentarismo não tem vez e o tempo escorre pelas mãos. O que você faz? Corre. Aquela atividade física no parque ou academia pode render muito mais do que um corpo sarado, e o coração agradece. E ah! Vamos combinar que se pessoa te viu ali, descabelada, sem fôlego, sem maquiagem e se interessou, merece um bocado da sua atenção, vai.

shutterstock_218754028.jpg

5. No supermercado é mais gostoso

Poucas coisas nessa vida são melhores do que comer. Na correria do dia a dia sempre sobra um espacinho pra ir ao supermercado pegar alguma coisa que está faltando. É bem comum que os carrinhos se cruzem entre um corredor e outro, e quando você se dá conta, apaixonou. Larga tudo e corre pro abraço!

happn6

6. Engarrafamento não é tão mal assim…

E o trânsito, onde fica nessa história? Você está ali parado, ilhado, estressado e não vê a hora de chegar em casa, mas ao mesmo tempo está sem saída no meio de um mar de carros. Que morte lenta, né? Nada disso. Esta também é mais uma chance para o amor, meu filho. Uma olhadinha no retrovisor ou no carro do lado pode te surpreender. Mas não buzina, tá?

happn

Para evitar que o amor da sua vida esteja apenas de passagem e acabe se perdendo na correria do dia a dia, você pode recorrer ao aplicativo Happn, onde a timidez não é um obstáculo.

alina - café - mockup

Disponível para os sistemas iOS, Android e Windows, o app te dá uma forcinha na hora de encontrar aquela pessoa por quem você se interessou e acabou cruzando repentinamente no seu dia. Se a pessoa também tem um perfil no aplicativo, adivinha? Você pode encontrá-la ali e puxar assunto. Ou seja, aquela oportunidade de antes pode ser resgatada depois.

Viva a tecnologia! E o amor, é claro. <3

20 Girl Rose

selo artigo patrocinado

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
França disponibiliza hotéis para vítimas de violência doméstica