Sustentabilidade

Como os índios Munduruku estão protestando para impedir a construção de 43 hidrelétricas no Rio Tapajós

Redação Hypeness - 01/04/2016 às 09:48

Com o meio ambiente caminhando para um colapso (e sim, a culpa é toda nossa), o Governo e o capitalismo ainda insistem em travar uma briga com os nossos povos e recursos naturais. O assunto da vez consegue ser ainda pior porque pode repetir erros do passado, como foi o caso da megausina de Belo Monte. Agora, os índios Munduruku e o Greenpeace tentam impedir a construção de hidrelétricas na bacia do Tapajós, entre Amazonas e Pará, verdadeiras ameaças para o bioma como um todo.

Em um protesto feito no Dia Internacional das Florestas (21 de março), ambos se uniram para enviar um recado ao mundo, segurando faixas em vários idiomas: “Barre a barragem. Mantenha o Rio Tapajós vivo”. A ação vai contra a construção de 43 barragens previstas ao longo do rio, sendo cinco delas já planejadas, que sustenta sua cultura e modo de vida da Terra Indígena Sawré Muybu. Gerando até 30 MW de energia, o projeto teria um custo ambiental e social muito maior do que seus benefícios.

A maior delas é a de São Luiz do Tapajós, próxima a Itaituba, no Pará, com 7,6 quilômetros de cumprimento e mais de 53 metros de altura. Construções de grande impacto como estas tendem a destruir a biodiversidade local, além de afetar a rotina e o lar de povos indígenas e ribeirinhos. Vale lembrar duas coisas importantes: 1. os índios chegaram primeiro; e 2. eles ajudam a manter a floresta viva. Ou seja, o mínimo que merecem é respeito e desde os primórdios do Brasil essa não é palavra de ordem para com eles.

Para de ter uma ideia do impacto de obras deste porte, aqui vão alguns motivos para ajudar a impedi-la: aumento no desmatamento, redução da biodiversidade, deslocamento forçado de comunidades indígenas, abertura de estradas ilegais, problemas gerados por mineração ilegal. Além disso, há chances de aumento populacional e urbano sem planejamento, tráfico de drogas, prostituição e aumento na violência. Estes dados estão apontados no Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima).

Tapajos

O Greenpeace abraçou a causa e tem coletado assinaturas para impedir os projetos por meio da campanha Tapajós Vivo. A organização também pede para que o dinheiro seja investido em fontes de energia renováveis e limpas, clamando para que o Brasil não vá na contramão do desenvolvimento sustentável. No ano passado, os Munduruku e o Greenpeace conseguiram adiar o leilão de quem vai gerir 8.040 MW da usina. Dentre os interessados está a China Three Gorges Corporation.

Colabore contra os crimes ambientais. Essa luta também é sua. Assine a petição aqui.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=w-f0KVnbiMg” width=”628″ height=”350″]

tapajos9

tapajos10

tapajos7

tapajos11

tapajos6

Map Tapajós in PortugueseMapa Tapajós em português

tapajos13

tapajos4

tapajos5

tapajos8

tapajos9

Todas as fotos via Greenpeace

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness