Estilo

O estúdio paulistano só de tatuadoras mulheres é um arraso

por: Redacao_Hypeness

Publicidade Anuncie

Hoje em dia o que não falta por aí são tatuadoras talentosíssimas, mas será que isso sempre foi assim? A verdade é que não. As mulheres tiveram que batalhar muito para conseguir um espaço em um mercado originalmente masculino, mas apesar disso, hoje já estão brilhando por aí. Em São Paulo, já têm até um estúdio de tattoo só de tatuadorAs: o Sampa Tattoo.

O espaço foi fundado em 2015 na Rua Augusta, em São Paulo, pelo empreendedor Yuri Murakami e pela tatuadora Samantha Pires e hoje já tem uma filial no Itaim. A ideia surgiu quando Samantha resolveu sair do local em que trabalhava e um dos donos questionou se ela não teria interesse em abrir um estúdio com ele. Com o local escolhido, só era preciso escolher os funcionários. Foi uma amiga dela quem sugeriu a criação de uma equipe composta apenas por mulheres.

A proposta não poderia ser melhor. No momento, onze artistas trabalham por lá. Juliana Chislu, Julia Bicudo, Jessica Coqueiro, Dafne Pellizzaro, Chi Bi, Mayra Oiseaux, Bonny Pamella, Cláudia Tiemi, Angélica Spadari e Cindy Matzak completam o time do estúdio, que costuma cobrar entre R$ 400 e R$ 800 pelas sessões. Por lá, as meninas se sentem livres para explorar todo o seu potencial sem ser sabotadas pelos colegas homens – que, contam algumas, já chegaram a jogar desenhos seus no lixo e mentir para os clientes que elas não estavam.

tattoo1

tattoo2

tattoo3

tattoo4

tattoo5

tattoo6

tattoo7

tattoo8

tattoo9

tattoo10

Todas as fotos: Reprodução Facebook

Unidade Augusta
Rua Augusta 2203, lojas 13 e 14
Unidade Itaim
Rua Benedito Lapin 200, esquina com a Rua Bandeira Paulista

Publicidade Anuncie


Redacao_Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Dior X Bihor: quando a melhor resposta à apropriação cultural é o empreendedorismo