Inspiração

Quando a música e a pornografia se encontram

por: Redação Hypeness

Muitos artistas deram um salto do mundo da pornografia ao ramo da música. Da indústria musical de Sasha Grey até a disco animada de Andrea True – aqui você vê dos mais bizarros às melhores combinações do gênero.

Praticamente todo o ser humano já teve contato com a música – tanto quando a pornografia. Mas o que essa relação tem em comum? Ela pode ser estranha, variada e cheia de surpresas. Enquanto a vanguarda das músicas clichês de filmes pornô ainda persiste (aquele R&B de guitarra suave de praxe), a novidade passa a ser a série de atores que passaram a fazer suas próprias músicas. Conheça alguns deles:

Andrea True

A voz é sensual, sexy e com um “que” de gemido. A música “More More More” é uma das mais reconhecíveis da era disco. Parte da fama veio de um sucesso de Len, “Steal My Sunshine”, que usou a batida de Andrea como fundo para gravar essa música – que foi usada na série Sex and the City. Hoje ela já está esquecida pela mídia. Entre os anos 1960 e 1970 atuou em muitos filmes pornôs e tornou-se um sucesso tão grande na indústria que chegou a aparecer em um comercial imobiliário na Jamaica, em 1975.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=RlJGrIyt-X8″]

“More More More” pode parecer cafona hoje, mas Andrea estudou música, mas logo voltou a fazer filmes.

Dennis Parker

A mesma época em que a disco estava no seu auge, o pornô também estava e ambas as indústrias fizeram com que houvesse esse intercâmbio de artisitas. Dennis Parker é mais um dele. Foi artista pornô e músico durante os anos 1970 – em que teve uma carreira incrível. Ele começou com filmes gays e com outro nome – Wade Nichols. E em algum momento ele conheceu o produtor Jacques Morali, que fez os filmes The Village People e Eartha Kitt. Juntos eles lançaram o álbum Like An Eagle, legendário na disco music e na cena gay norte-americana.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=ujbSkWKTuHo”]

Ele deixou a carreira após ser diagnosticado com AIDS e morreu por conta da doença em 1985.

Traci Lords

Em 1986, após ter produzido pelo ou menos 75 filmes pesados, ela conseguiu a carreira mentindo a idade com uma identidade falsa. Ou seja, ela começou a ser atriz com 15 anos, causando crise na indústria pornô e forçando seus filmes a serem retirados dos cinemas adultos. E foi depois de descoberta que sua carreira no pornô acabou. E foi em 1995 que ela decolou na música – passando pelo hard rock, techno e trance – fazendo a cabeça de DJs no mundo todo.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=rtdOQ3SAmfs”]

A música faz parte do disco “Control“, que levantou temas nas letras como estupro e suicídio.

Cosey Fanni Tutti

Cosey Fanni Tutti produziu muitas faixas como membro do Throbbing Gristle, com o seu parceiro Chris Carter ficando conhecidos primeiro como Chris & Cosey e depois como Carter Tutti. Mas sua música sempre esteve em conjunto com a imagem do corpo – bem como da pornografia. E assim ela virou trilha sonora de uma exibição de prostituição, em 1976, chamando atenção também da mídia feminista da época.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=2jJ0P06zx78″]

Sasha Grey

Sasha tem uma carreira paralela à Cosey: seus papeis como atriz pornô eram pesados e a pornografia parecia fazer parte de um longo trabalho com o corpo que incluia modelar, atuar e fazer música. Ela é fã de Throbbing Gristle e formou sua própria indústria com a banda Telecine, no final dos anos 2000s, a qual hoje ela já não faz mais parte.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=PSDantiu5_8″]

Via Dazzed.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Disco Sally: a vovó baladeira que desafiou preconceitos e ferveu na pista nos anos 1970