Inspiração

Homem trans relata sua experiência de dar à luz dois filhos e amamentar

por: Vicente Carvalho

Assuntos relacionados à transexualidade ainda são pouco abordados na grande mídia. Casos como o da pequena Willa, de 7 anos, que fala com bastante sobriedade sobre seu gênero ainda são pouco vistos (o Hypeness falou dela aqui).

Por isso, a história do canadense Trevor MacDonald, de 31 anos, tornou-se tão icônica e emblemática, por ter feito dele um porta-voz da comunidade trans após relatar sua experiência com paternidade, gestação e amamentação enquanto homem transgênero. Tudo isso foi contado no livro Where’s the Mother? Stories from a Transgender Dad (“Onde está a mamãe? Histórias de um pai transgênero”, em tradução livre).

Trevor é pai de dois filhos – um de cinco anos e outro de 18 meses – gerados por ele mesmo e os quais ele amamentou. Ele conta que começou o processo de redesignação sexual há oito anos, mas, apesar dos hormônios e da cirurgia para a retirada dos seios, ele continua podendo engravidar. Com o apoio do marido, que conheceu logo após começar a hormonioterapia, superou o preconceito e decidiu aumentar a família.

Ao se ouvir que uma pessoa trans engravidou, a reação é: ‘Isso não faz sentido’. No entanto, as coisas são mais complexas. Somos muito mais diversos”, contou MacDonald ao The Guardian.

2304 (1)

Porém, o tratamento e a cirurgia diminuíram sua capacidade de amamentar. Por isso, MacDonald mistura o próprio leite com o que é doado pela comunidade onde ele mora.

A questão é que as imagens do pai amamentando o seu filho sensibilizam, tocam e promovem debates em todo o mundo. E dá visibilidade a uma realidade até então impensada para muitas pessoas, mas que existe e deve ser respeitada.

2304

3456

IMG_0260

IMG_0334

Todas as fotos © Trevor MacDonald

Publicidade


Vicente Carvalho
Em busca da terra do nunca.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Primeira professora com down faz sucesso com crianças da rede pública na Argentina