Arte

Mulher, negra e feminista: Betty Davis foi a fagulha para o nascimento do Jazz Fusion e revolucionou o funk e o blues

Vitor Paiva - 15/07/2016 | Atualizada em - 17/12/2020

A história oficial é contada pelos vencedores – mesmo quando vence o pior. Por isso, se sacudirmos a memória do mundo, descobriremos sempre algum herói ou heroína que injustamente acabou deixado pra trás. Num momento como o atual, no qual a afirmação da força feminina e o protagonismo da mulher negra cada vez mais é justamente exigido e sublinhado, o timing é perfeito para redescobrirmos (ou enfim tomarmos conhecimento) de uma dessas tantas figuras notáveis, que infelizmente permanece pra muitos soterrada sob o racismo, o ostracismo, a sombra de outros homens e o peso da própria história: é preciso, antes tarde do que tarde demais, dar a devida atenção à obra e à vida da cantora Betty Davis.

BDAVIS13b

Se a apresentássemos como simplesmente a segunda mulher do grande Miles Davis, estaríamos cometendo uma tremenda injustiça, ainda que a informação esteja correta. Se disséssemos que ela foi uma das principais responsáveis pela virada do maior trompetista de todos os tempos na direção do Fusion, misturando o jazz com o rock e o funk, seria a mais pura verdade – e ainda assim não estaríamos nem de longe sendo justos com a história de Betty.

Betty e Miles

Miles e Betty Davis

Podemos chamá-la de um ícone histórico ainda a se descobrir; uma desbravadora de vanguarda da música negra do início dos anos 1970, como uma verdadeira força feminina em um universo masculino. Nas palavras do próprio Miles, registradas em sua autobiografia de 1989, “Se Betty estivesse ainda cantando hoje, ela seria como Madonna, ou como Prince, mas como uma mulher. Ela deu início a tudo isso. Ela simplesmente estava a frente de seu tempo”.

BDAVIS20

BDAVIS12

A referencia à Madonna e Prince é precisa, afinal, tudo na musicalidade e na própria vida de Betty vinha de sua força erótica. Mais de uma década antes de “Like a Virgin” ou “Purple Rain” – e pouco mais de uma década depois de Elvis trazer a provocação sexual para a ribalta da música popular – Betty cantava, sentia, oferecia e ilustrava o erotismo de forma direta, provocadora, explicita e feroz sobre a qual Madonna, Prince e tantos e tantas outras construiriam suas carreiras, anos depois.

BDAVIS10

BDAVIS5

A mesma sexualidade explicita que, aliada ao seu talento como compositora (sim, ela escrevia a maioria das suas canções), sua voz rasgada e seu balanço, forjou sua personalidade, foi também a força que a impediu de se tornar uma artista reconhecida e popular.

Nem os EUA nem o mundo estavam prontos para, em 1973, aceitar uma personagem tão desafiadora e singular quanto Betty Davis foi. Muitos de seus shows foram boicotados por grupos religiosos e até cancelados, e sua estrela acabou nublada pela controvérsia que provocou.

BDAVIS17

A verdade é que Madonna, perto de Betty, soa mais como uma adolescente descobrindo o sexo (como uma virgem propriamente) do que com qualquer coisa próxima sequer do furacão erótico de Betty. E nem falem em Lady Gaga: é mais fácil pensarmos em alguma corajosa dama do funk carioca para chegarmos a uma comparação mais cabível.

BDAVIS8

Ainda assim, e apesar de tudo isso, é impossível não falar de sua influência sobre a carreira de Miles, tão grande que não seria exagero dizer que, sem ela, o maior nome da história do Jazz teria permanecido soterrado sob os escombros de seu próprio êxito. Feito um fóssil de um gigante do passado, quando Miles e Betty, então uma modelo de 23 anos, se conheceram em 1967, o trompetista vivia um momento bastante difícil em sua carreira.

BDAVIS3

Desde que havia revolucionado o gênero diversas vezes ao longos da década de 1950 e 1960, com clássicos como Birth of the Cool, Sketches of Spain, e principalmente Kind Of Blue (para muitos o maior disco da história do Jazz), tanta coisa havia acontecido a partir do surgimento do rock que, por maior que Miles fosse, sua música se encontrava lida sob certo anacronismo a que os clássicos estão sempre sujeitos. Foi preciso que Miles conhecesse e se apaixonasse por Betty para que pudesse realizar a maior transformação estética de sua carreira – e voltar a revolucionar o jazz, sob influência principalmente de Jimi Hendrix e Sly & The Family Stone, ambos apresentados tanto pessoal quanto musicalmente a ele por sua segunda mulher.

Miles repaginado depois de Betty

Miles repaginado depois de Betty

Betty conhecera Hendrix e Sly durante seu período como modelo, e viu em seus jovens e geniais amigos músicos a faísca possível para reacender o barril de pólvora que havia em Miles e seu trompete. A influência das guitarras distorcidas e cósmicas de Hendrix e o forte funk de Sly & The Family Stone acabou por levar Miles Davis a criar o seminal álbum Bitches Brew, de 1970, um disco elétrico, misturando sonoridades diversas e orientando o jazz na direção de um rock solto e improvisado, que viria a se tornar seu primeiro disco de ouro, e peça essencial para a fusão entre rock, funk e Jazz.

BDAVIS23

Em suma, quem quiser fique à vontade para afirmar que Betty Davis indiretamente ajudou a inventar o Fusion.

O casal se separou em menos de um ano, com Miles acusando Betty de ter tido um caso com Hendrix (fato negado por ela até hoje) e, ainda que tivesse realizado já uma série de maravilhosas gravações no final dos anos 1960 (algumas inclusive produzidas por Miles) foi só em 1973 que a carreira de Betty de fato começou – com seu disco de estreia, batizado com seu nome. Até então, ela era conhecida como a dona do rosto na capa do clássico Filles de Kilimanjaro, lançado por Miles em 1968.

BDAVIS21

Betty na capa do Filles de Kilimanjaro

Betty e Miles no enterro de Jimi Hendrix

Betty e Miles no enterro de Jimi Hendrix 

A maioria das faixas no disco Betty Davis foi escrita por ela para tratar de sexo, poder, frustração e desejo feminino com uma franqueza radical. Se musicalmente trabalho é até hoje considerado fundamental para o funk rock, a atitude abertamente erótica e provocadora de Davis era demais para a época.

BDAVIS18

Betty Davis

A ideia de uma furiosa rainha do funk, uma indomável pantera negra com um microfone na mão, cabelo afro, roupas coloridas, botas vertiginosas e uma beleza agressiva elevando o funk a extremos e liderando uma banda formada por homens, definitivamente não era algo fácil de se digerir no inodoro cenário cultural americano do início da década de 1970.

Apesar disso, em 1975 Betty assinou com a lendária gravadora Island Records – a mesma de Cat Stevens e Bob Marley, entre muitos outros – para lançar o disco planejado para fazer decolar de ver sua carreira: Nasty Gal (Garota perversa, em tradução livre). A obra é, na mesma medida, de qualidade impecável porém conteúdo arriscado – e arrasador.

BDAVIS9

Destaca-se a espetacular balada “You and I”, escrita em parceria com Miles (já como seu ex-marido) e com arranjos assinados pelo  grande maestro Gil Evans. Apesar da dedicação de Betty e da enorme promoção feita pela gravadora, Nasty Gal não alcançou o sucesso esperado, e a resposta para o enigma parece ser a mesma que perseguiu Betty ao longo de toda sua carreira: sua música era pesada demais para as rádios negras, e funky demais para as rádios brancas (e sua temática avançada demais para todo mundo).

O fracasso comercial de Nasty Gal foi tombo forte para Betty, que enfim desistiu da carreira e se mudou para Pensilvânia, onde vive até hoje, reclusa e misteriosamente silenciosa a respeito de seu passado. Seus discos e sua postura, porém, desde o início dos anos 2000 voltaram a ser reconhecidos pelo público e crítica. Um documentário sobre ela está sendo preparado, prometendo enfim garantir seu lugar no Olimpo da música negra estadunidense.

Trailer do documentário Nasty Gal, sobre Betty:

Há quem diga que a imagem de Betty se sobrepunha a sua música. Outros afirmam que ela não conseguiu carregar o fardo do hype criado ao redor de seu nome pela sombra de outros nomes.

BDAVIS16

O que parece se comprovar, com o início da justa (ainda que tardia) retomada de sua importância, é que ela era simplesmente uma dessas artistas que ia ao limite, a fim de expandir nossas noções do que é possível, superando barreiras e provocando a todos num solitário desafio musical, pessoal, emocional, racial e feminista – que teve de esperar por quarenta anos o mundo correr atrás para enfim sentir sua própria força como artista.

BDAVIS7

UNITED STATES - FEBRUARY 01: Photo of Betty DAVIS; Posed studio portrait of Betty Davis (Photo by Fin Costello/Redferns)

Photo of Betty DAVIS

Portrait Of Betty Davis

© fotos: divulgação

Viu essa?

E se uma das inventoras do Rock tiver sido uma mulher negra dos anos 1940?

faixa-materia-especial1

Publicidade


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.