Debate

ONG simula união entre homem e menina de 12 anos para combater casamento infantil

por: Redação Hypeness

O que você faria se visse uma criança de 12 anos, vestida de noiva, recém-casada com um homem com idade para ser seu avô?

Para alguém vivendo em uma grande metrópole brasileira, essa pode parecer uma imagem bizarra, mas é a cruel realidade enfrentada por quase 40 mil crianças diariamente pelo mundo. Uma ONG chamado Kafa (“basta”) realizou um vídeo fictício ilustrando essa justa cena, a fim exatamente de iluminar a terrível situação de violência e exploração da mulher no Líbano.

CasInf4

A lei no Líbano permite esse tipo de relação – a idade limite para o casamento, com o consentimento dos pais, é de 9 anos para as meninas – mas essa não é uma realidade exclusiva do país, sendo meio de se atenuar a miséria em grande parte dos países pobres do mundo. O vídeo foi lançado como parte de uma campanha para acabar com o casamento infantil no país.

Dá uma olhada:

CasInf3

A ONG advoga para que a Líbano adote o artigo 16 da Convenção das Nações Unidas para Eliminação de todas as Formas de Descriminação contra as Mulheres, que protege às garotas e mulheres o direito de escolher como, quando e com quem se casarão. O mesmo cenário é visto massivamente entre refugiadas sírias, e em regiões mais pobres de países diversos – inclusive o Brasil.

CasInf2

A indignação das pessoas no vídeo é tão grande quanto o absurdo que é a existência de leis ou circunstâncias que permitam tamanha violência contra crianças – algo que precisa urgentemente se tornar nada além de uma mancha no passado da humanidade, a se envergonhar.

CasInf1

© fotos: reprodução

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Netflix diz que não vai incluir publicidade e comerciais