Inspiração

Rainha de bateria sofre preconceito na internet por ser faxineira, mas não deixa barato

por: Redação Hypeness

“Vai precisar de muita faxina para pagar a próxima fantasia”, foi o comentário feito na foto da rainha de bateria. O que leva alguém a fazer tal observação a gente já imagina de longe: o tamanho da ignorância. Mas a reação desta mulher ao preconceito foi a melhor. Dá só uma olhada!

Bethyna Nascimento Casagrande saiu do antigo emprego e logo em seguida começou a fazer faxinas como diarista para sustentar a casa – o que acabou valendo muito mais a pena do que a carteira assinada. Mãe de uma menina de uma menina de 3 anos ela também usa do salário para ajudar a mãe. Com dois irmãos formados ela pretende ser a próxima.

rainha

Como mais uma prova da sua força, diante dos críticas preconceituosas que recebeu nas redes sociais, Bethyna prestou queixa na delegacia de repressão a crimes eletrônicos em Vitória, no Espírito Santo. “Eu tenho orgulho de fazer minhas faxinas. E foi com elas que eu consegui sim pagar a minha fantasia de rainha da bateria”, ela disse durante o programa Encontro, da Fátima Bernardes.

E não para por aí. Por inbox, ela também recebeu mensagens do tipo “preto tem que lavar vaso” – que também foram denunciadas. Mas ela explica que as escolas de samba do Espírito Santo estão juntas na luta contra o preconceito. “Não tenho vergonha. Meus pais foram faxineiros e hoje eles criaram três filhos que são grandes”, ela completa.

Parar ver toda a entrevista, é só dar play no vídeo abaixo:

cl5scrzteagpj5fs5kln3efg1948188

5176507_x720

rainha-de-bateria

Fotos: Ricardo Medeiros/A Gazeta; Tribuna Online e reprodução Facebook

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Camelô procura cliente que entregou nota de R$ 100 por engano