Empreendedorismo

Uber lança serviço mais barato que o metrô em NY

por: Redação Hypeness

Usar transporte público é sempre a opção mais barata para se locomover em uma cidade, certo? Graças ao Uber, em Nova York isso está deixando de ser assim. A empresa lançou um serviço mais barato do que o metrô na cidade.

A novidade funciona com um cartão de viagens que pode ser adquirido pelo valor de US$ 79 (cerca de R$ 260) ao mês e usado para viagens em horário de pico dentro de Manhattan. Os deslocamentos com o cartão são ilimitados, desde que ocorram entre as 7h e as 10 e das 17h às 20h e sejam feitos em um serviço baseado no UberPool, que já existe no Brasil. Nesse caso, os usuários precisam aceitar dividir o carro com outras pessoas que façam um trajeto parecido.

uber2

Foto via / Foto destaque via

Tá, mas o que isso tem a ver com o transporte público mesmo? A diferença é que os usuários que utilizarem o serviço para ir e voltar do trabalho todos os dias gastariam cerca de US$ 2 por viagem. Enquanto isso, o metrô na cidade custa US$ 2,65 – 30% mais caro .

A oferta deve ser temporária, como uma estratégia para aumentar o movimento do aplicativo durante as férias americanas, que vão até setembro. Lançada em parceria com a loja online Gilt City, a única autorizada a vender o cartão até o momento, ela promete aliviar o bolso dos usuários de transporte público, mas também pode ser responsável por piorar o trânsito da cidade.

Se você costuma usar o serviço para se locomover, a gente recomenda dar uma lida também nesse post, que mostra o descaso da empresa com casos de assédio no Brasil.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Recorte racial: 7 empreendedores negros que se uniram na confecção de máscaras contra o coronavírus