Estilo

Financiamento coletivo está ajudando a criar super heróis indígenas

por: Mari Dutra

Até que enfim alguém notou que os super-heróis convencionais estão longe de representar as nossas origens e a nossa cultura. Com um folclore tão rico quanto o nosso, será que já não estava na hora de começar a mudar esse cenário? É o que estes dois quadrinistas paraenses estão tentando fazer, com uma ajudinha do financiamento coletivo!

O projeto de financiamento está no ar na plataforma Catarse e já arrecadou 78% dos R$ 16 mil necessários para sua realização. Juntos, os paraenses Joe Bennett e Alan Yango querem publicar uma revista em quadrinhos com super-heróis inspirados no folclore brasileiro, o Esquadrão Amazônia.

esquadrao1

Os personagens foram criados por Joe Bennett no início dos anos 2000 como parte de uma campanha publicitária e fizeram sucesso na época. A ideia de criar uma nova história do Esquadrão Amazônia surgiu de uma conversa de Joe com Alan Yango. Juntos, os dois esboçaram o rascunho desta nova aventura, que deverá ter 40 páginas coloridas.

esquadrao2

Detalhe da publicação original

A dupla adianta que a história será a primeira edição de um projeto maior e a segunda edição também deverá ser lançada através de financiamento coletivo. O lançamento previsto para a primeira revista deve ocorrer durante a Comic Con Experience 2016, entre os dias 1 e 4 de dezembro.

Os interessados podem contribuir com valores a partir de R$ 15 e já garantem a edição impressa autografada, com frete grátis incluído para todo o Brasil.

No vídeo abaixo eles contam mais sobre esse projeto:

[youtube_sc url=”https://youtu.be/SYzaWuPpT00″ width=”628″]

esquadrao3

esquadrao4

Todas as fotos: Divulgação

Publicidade


Mari Dutra
Criadora do Quase Nômade, contadora de histórias, minimalista e confusa por natureza, com os dois pés (e um pet) no mundo. Chega mais perto no Instagram.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Rebeca, modelo descoberta em fila de cesta básica, mostra que pessoas precisam de oportunidade