Estilo

Projeto ‘Meu Corpo É Real’ promove e reivindica moda inclusiva para pessoas com deficiência 

por: Brunella Nunes

Comprar roupas é a coisa mais fácil do mundo: você entra numa loja, escolhe ou prova a peça desejada e leva pra casa. Isso para uma pessoa totalmente dentro dos padrões do mercado. Para quem está de fora, a coisa é bem mais complicada e, por vezes, frustrante. Para dar visibilidade às pessoas com deficiência, o projeto Meu Corpo É Real reivindica por uma moda mais inclusiva, que enxergue este público como consumidor e crie soluções para deixar sua vida mais prática. 

A ideia partiu da estilista e cadeirante Michele Simões, que após sofrer um acidente de carro criou novas perspectivas sobre o corpo e suas relações com a moda. Assim, a facilidade em encontrar roupas para um corpo alto e magro foram trocadas pela dificuldade em vestir ou até mesmo encontrar representatividade para um corpo que é praticamente invisível a sociedade.

De fato, quem não possui deficiências físicas talvez nunca tenha sequer parado para pensar nestas questões. Pensando nas dificuldades e principalmente na falta de informação que a indústria tem em relação aos corpos que estão fora dos padrões hegemônicos, o projeto tomou forma e ganhou fôlego com a produção de um mini-documentário.

Através dos bastidores de um ensaio conceitual (permitindo uma visão menos clichê sobre a deficiência), traz à tona as necessidades que as pessoas com deficiência encontram dentro do setor, fugindo dos estigmas de sempre. Ao Hypeness, Michele contou que existem outros papéis a serem assumidos por este público. “Essa ideia de que deficiente não consome vem quase sempre acompanhada de associações que limitam esse público a papéis de superação, reivindicação ou de consumidores de produtos ortopédicos e hospitalares, o que é totalmente equivocado.”

Letícia, 19 anos estudante de Relações Públicas -Fragilidade Óssea

Letícia 1

A primeira tarefa então, talvez, seja enxerga-los antes de mais nada como pessoas e não como vítimas. Assim como quem está dentro dos “padrões”, eles se alimentam, estudam, trabalham, namoram e consomem. Não é porque uma pessoa é cadeirante que vai perder o gosto por moda, por exemplo. Me lembro perfeitamente da felicidade que senti no dia em que, após muitas tentativas, consegui me vestir sozinha. Parece estranho algo tão comum a maioria, fazer tanta diferença na vida de algumas pessoas. O acesso físico das lojas, o preparo por parte dos atendentes em perceber esses corpos como clientes, o desenvolvimento de peças mais funcionais que levem em conta a identidade desses consumidores, bem como suas necessidades e a representatividade dos mesmos pela própria publicidade, já seriam um bom começo”, contou.

Entre os problemas encontrados no comércio, um deficiente visual, por exemplo, não tem acesso ao o que está exposto na vitrine. Isso aliado à falta de preparo dos vendedores faz com que o mesmo quase sempre dependa de terceiros na escolha de seu produto, impossibilitando questões muito importantes como a autonomia e a própria identificação com o produto no momento da compra.

A tecnologia também pode ser uma porta para alcançar algumas melhorias, por meio do desenvolvimento de aplicativos que informem a localização de cada segmento dentro de uma loja de departamentos, ou o uso etiquetas com QR code com audiodescrição das peça poderia facilitar a vida dessas pessoas até no dia a dia ao escolher suas roupas em casa. No final das contas, cego mesmo é o mercado, que não consegue enxergar ainda o potencial social e até mesmo capital destes consumidores.

Bárbara Barros, 20 anos, estudante de Jornalismo – Baixa Visão Congenita

Barbara 2

Sendo assim o principal objetivo do projeto é fomentar a moda, criando uma ponte entre o consumidor e a indústria através de informações menos superficiais, permitindo ao público uma participação mais ativa, via depoimentos de histórias reais no Instagram, envio de vídeos para o canal e contato no Facebook. Confira abaixo o mini-documentário do Meu Corpo É Real:

Ravelly Santana, 20 anos, estudante de jornalismo – Amputação
Bruno Favoretto, 33 anos Jornalista – Lesão Medular

Bruno e Rav 2

Letícia 3

Bruno e Rav 1
Fotos: © Marco Maia

Fashion Day Inclusivo

Foi na intenção de expandir novos horizontes que Michele também criou um evento para empoderar este público que carece muito de representatividade. Percebo o quanto a ausência de referências influencia na anulação desse segmento, tanto por parte da indústria quanto do próprio público. Pensando exatamente nessa questão, o Fashion Day Inclusivo tomou forma, com o intuito de estreitar os laços entre os futuros profissionais, a indústria (parceria com marcas) e os pacientes.”

Quando fez pós em comunicação e cultura de moda, a estilista notou que os estudantes ficavam surpresos e curiosos em relação aos corpos com deficiência e a moda. Isso deu fôlego para que ela montasse o projeto e assim os trouxe para dentro de seu mundo. A primeira medida foi uma pequena imersão no hospital de reabilitação para a quebra de alguns estigmas.

Colocados frente a frente com as necessidades desse público através de uma entrevista, os alunos começam a ter noção de uma outra realidade. “Esse material é discutido para que consigamos apresentar opções de mercado compatíveis com as deficiências apresentadas, culminando numa tarde produtiva tanto para os alunos como para os pacientes, que passam a vislumbrar pelo menos algumas possibilidades de mercado através da apresentação do material pesquisado e do workshop de automaquiagem”, concluiu Michele. O próximo evento ainda não data definida, mas certamente será divulgado pelo Hypeness. 🙂

fashion day inclusivo3

fashion day inclusivo2

fashion day inclusivo

Todas as fotos © Marco A. de Ávila

Publicidade


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Chernobags: as pessoas estão enlouquecendo com as bolsas ‘Crocs’