Debate

Como foi a repercussão mundial do impeachment de Dilma Rousseff

por: Redação Hypeness

Com o impeachment da ex-presidente eleita Dilma Rousseff, a política brasileira ficou sob os holofotes do mundo todo. Chefes de nações ao redor do mundo e principalmente na América Latina não responderam bem ao impeachment ocorrido ontem, 31.

Primeiro, o presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou a decisão de chamar o embaixador do país de volta através de uma série de mensagens publicadas no Twitter.

Destituíram Dilma. Uma apologia ao abuso e à traição. Retiraremos nosso encarregado da embaixada. Jamais coonestaremos estas práticas, que nos lembram dos momentos mais obscuros da nossa América. Toda nossa solidariedade com a companheira Dilma, com Lula e com todo o povo brasileiro. Até a vitória sempre!

Ele não foi o único presidente latino-americano a se manifestar sobre a situação política brasileira. Evo Morales, presidente da Bolívia, também declarou sua insatisfação com o impeachment através da rede social.

Condenamos o golpe parlamentar contra a democracia brasileira. Acompanhamos Dilma, Lula e seu povo nesta hora difícil. Estamos convocando nosso embaixador no Brasil para assumir as medidas que se aconselham neste momento. 

Além destes, a ex-presidente argentina, Cristina Kirchner, também se manifestou através da rede.

Se consumou no Brasil o golpe institucional: Nova forma de violentar a soberania popular. América do Sul outra vez laboratório da direita mais extrema. Nosso coração está junto ao povo brasileiro, Dilma, Lula e os companheiros do PT.

Mauricio Macri, atual presidente argentino, no entanto, declarou em comunicado que o país iria “continuar pelo caminho de uma real e efetiva integração no marco do absoluto respeito aos direitos humanos, às instituições democráticas e ao direito internacional” em relação ao que chamou de “processo institucional” ocorrido no Brasil.

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba também emitiu uma declaração demonstrando sua opinião a respeito do impeachment da presidente. “O Governo Revolucionário da República de Cuba rejeita fortemente o golpe de estado parlamentar-judicial que foi realizado contra a presidenta Dilma Rousseff, diz a nota, que declara que o impeachment “constitui um ato de desrespeito à vontade soberana do povo que a elegeu“.

Em comunicado oficial, a Venezuela também condenou o que chamou de golpe de estado contra Dilma. “A República Bolivariana da Venezuela condena categoricamente o golpe de Estado parlamentar consumado no Brasil contra a Presidenta Dilma Rousseff, mediante o qual perigosamente se há substituído ilegitimamente a vontade popular de 54 milhões de brasileiros, violentando a Constituição e alterando a democracia neste país irmão“. O país também prometeu congelar as relações políticas e diplomáticas com o Brasil.

Em maio deste ano, o eurodeputado espanhol do partido Podemos, Xavier Benito, havia enviado uma carta para Federica Mogherini, Alta Representante da União Europeia para Política Externa e Segurança, pedindo para que não fossem realizadas negociações com o então presidente interino Michel Temer a respeito de acordo entre o bloco e o Mercosul.

O acordo comercial com Mercosul não só se limita a bens industriais ou agrícolas, mas inclui outros afastados como serviços, licitação pública ou propriedade intelectual. Por isso, é extremamente necessário que todos os atores implicados nas negociações tenham a máxima legitimidade democrática: a das urnas“, teria escrito ele na carta.

Em julho, o senado francês também havia se manifestado em manifesto publicado pelo jornal Le Monde contra o iminente impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Assistimos à tomada de poder, sem legitimidade popular, por aqueles que perderam a disputa presidencial, com o intuito de colocar em prática seus programas rejeitados pelas urnas.  Formou-se um governo composto exclusivamente de homens, que em nada reflete a diversidade que compõe a sociedade brasileira“.

No mesmo documento, os senadores franceses comentam que “estamos também preocupados com o envolvimento no golpe de Estado da grande mídia brasileira pertencentes a grandes grupos financeiros, por uma campanha extremamente violenta a favor da destituição e criminalização da esquerda. Essas mesmas mídias apoiaram o golpe de Estado Militar de 1964 a partir do qual construíram verdadeiros impérios midiáticos“. O artigo completo, traduzido para o português, está disponível aqui.

Imprensa internacional

Para o The Washington Post, impeachment teria sido “difícil, mas necessário“. Segundo a publicação, a medida “abre caminho para reformas que o Brasil precisa desesperadamente“. O The New York Times questiona: “Todos os impeachments são politicos. Mas o do Brasil foi mais sinistro?“.

dilma1

dilma2

Em compensação, o jornal espanhol El Pais classificou o impeachment em editorial como um “Golpe baixo no Brasil“. O britânico The Guardian publicou que “A queda de Dilma não irá curar todos os problemas do Brasil“.

dilma3

dilma4

Todas as fotos: Reprodução

Confira também a capa de alguns dos principais jornais europeus:

dilma1

Foto © Jucinara Schena

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Governo tem que tirar garimpeiros de terras yanomami em 15 dias para começar a enfrentar covid-19 em áreas indígenas