Debate

Estudo conclui que o morador do Alto de Pinheiros vive em media 25 anos a mais que o de Cidade Tiradentes

por: Redação Hypeness

Um estudo apresentado na última quarta-feira pela rede Nossa São Paulo mostra que o morador do nobre bairro do Alto de Pinheiro, na zona oeste da capital paulista, vive em torno de 25 anos a mais do que o morador da Cidade Tiradentes, bairro pobre da região leste. O motivo é óbvio: as dificuldades enfrentadas em todos os níveis, da violência às condições sanitárias, pela população mais pobre.

Mapa1

Mas a obviedade confirmada por uma pesquisa não a torna menos chocante. A pesquisa, conhecida como Mapa da Desigualdade, atenta para as diferenças entre regiões ricas e pobres da cidade em pontos diversos. Enquanto na Sé as bibliotecas possuem 7,92 livros para cada habitante com mais de 18 anos, no Jardim São Luís o número cai para 0,001. Enquanto a região da Barra Funda possui 9,42 salas de cinema para cada 10 mil habitantes, na Sacomã o número é de 0,039.

Mapa2

Em questões como a saúde a gravidade da situação se explicita. Na Vila Medeiros, Zona norte da cidade, há 0,041 leitos de hospital para cada 1 mil habitantes, enquanto o número ideal, superado com folga na região da Bela Vista, por exemplo, é de 2,5 a 3 leitos. Tal número é complementado como uma receita fatal quando se vê que o índice de homicídio em Marsilac, por exemplo, é de 4,95 para cada 10 mil habitantes – em Moema, o mesmo índice cai para 0,114. Os dados são de 2015, mas essa parece ser infelizmente uma realidade que desde sempre assola não só São Paulo, mas todas as capitais. Onde o estado não está é também onde as condições de vida não estão.

Mapa3

© fotos: divulgação

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Maquiadora é criticada por ‘make-protesto’ das queimadas na Amazônia